Aprenda as diferenças entre os controles de estabilidade e de tração

Dentre os itens de maior destaque destinados ao conforto, segurança e ampliação de proteção, tanto para os passageiros do veículo, quanto para os outros elementos que compõe o trânsito — pedestres, ciclistas, outros motoristas — estão os controles de estabilidade e de tração.

No Brasil, há uma gama muito boa de carros que contam com esses recursos sendo fabricados e vendidos. Ainda assim, precisamos lembrar que é um mercado que ainda está muito longe de ser homogêneo.

É muito importante que todos os carros, em um futuro próximo, tenham integrados esses dois recursos. Tanto um como outro atuam e influenciam de forma direta a maneira como o motorista dirige e como o veículo se comporta na pista. Em outras palavras, é o fator segurança o aspecto de maior peso nesse assunto.

A seguir, vamos ver um pouco sobre o funcionamento e as particularidades desses dois sistemas, além de alguns aspectos relevantes tais como nomenclaturas, tecnologia e objetivo desses recursos.

Controle de estabilidade e controle de tração: funcionalidades, características e diferenças

Quando falamos sobre os controles de estabilidade e de tração, precisamos considerar que cada um desses sistemas oferece funcionalidades específicas e atua em funcionamento diverso, apesar de semelhantes. Vale a pena ter um pouco de atenção para compreender melhor tais particularidades.

Controle de estabilidade

O controle de estabilidade, também conhecido por ESC — sigla em inglês para a tecnologia —, trata-se de um sistema tecnológico que trabalha diretamente sobre os freios atuando de forma a evitar que o condutor venha a perder o controle de direção em possíveis desvios de trajetórias e curvas, oferecendo mais segurança para o motorista e terceiros.

O ESC tem seu funcionamento baseado na análise de rotação de cada uma das rodas do carro e como elas estão se comportando em relação à velocidade aplicada ao veículo. Dessa maneira, o controle de estabilidade consegue reduzir a aceleração do veículo — mesmo que o condutor esteja pisando forte no acelerador.

É assim que ele consegue aplicar e controlar o freio em uma única roda, evitando uma derrapagem, por exemplo, e contribuindo para o aumento da segurança, pois é possível evitar que o veículo possa sair da curva ou até mesmo rodar na pista.

Vale lembrar que há no mercado vários modelos de carros que usam o controle eletrônico de estabilidade em ação conjunta com outros tipos de recursos, ampliando o poder de atuação dessa tecnologia.

Em muitas regiões do mundo, a tecnologia ESC já é algo obrigatório e tem equipado veículos populares, carros comerciais leves, ônibus e caminhões e, até mesmo, motocicletas!

Controle de tração

Já o TCS — Traction Control System, ou Controle de Tração — é um sistema eletrônico que tem como finalidade impedir que uma ou mais rodas girem em falso. Para isso, esse recurso tecnológico faz uso dos freios ABS reduzindo o torque de cada roda que está em situação de perda de tração.

Dessa forma, o motorista tem mais segurança para uma condução mais eficaz e tem mais facilidade para sair de situações complicadas e retomar o controle do carro. Um fator interessante sobre o controle de tração é que, em alguns veículos, ele pode ser desativado ou agir de forma programada e personalizada.

A tecnologia de controle de tração, na maior parte das vezes, está associada ao sistema de controle de estabilidade. Mas é importante lembrar que há casos em que o torque pode ser gerenciado também pelo conjunto propulsor ou pelo diferencial eletrônico.

No mercado nacional, há uma variedade de carros, o que inclui ônibus e caminhões, que contam com o controle de tração como item de série ou opcional.

Sem dúvida, são sistemas de funcionamento semelhantes. Mas, pelo exposto acima, fica mais fácil de compreender as particularidades e as diferenças de cada um. Agora, você sabe quando eles são acionados? É isso que veremos em nosso próximo tópico.

Hora certa de entrar em ação

Anteriormente, vimos alguns dos principais pontos do controle de estabilidade e de tração. Mas como eles sabem a hora certa de entrar em ação? Simples, eles analisam o comportamento do carro e do motorista.

Por exemplo, o controle de estabilidade avalia se o movimento do motorista ao volante está de acordo com a direção do carro. Caso ele identifique que o condutor virou o volante para o lado oposto ao que está indo o veículo, ele entra em ação.

Já o TSC, como esclarecemos anteriormente, se concentra nos freios das rodas tracionadas, entrando em ação ao identificar que determinada roda — ou mais delas — começa a apresentar problemas de tração. Lembrando que tudo isso parte dos sensores ABS.

A partir daí, o controle de tração entra em funcionamento reduzindo a força do motor visando a recuperação da eficiência de tração. Caso seja necessário, o sistema também acionará os freios da roda que não tem tração.

Tecnologias para segurança

Hoje, o mercado de automóveis possui uma vasta gama de tecnologias e recursos adicionais que possibilitam uma distribuição mais equilibrada do torque entre as rodas ou entre eixos.

Apesar de oferecerem mais tecnologia, comodidade e segurança, as opções se esbarram nos custos, que, por sua vez, são mais caros do que os sistemas comuns. Algumas dessas alternativas podem trazer, por exemplo, barras estabilizadoras de rigidez controlável e motores elétricos.

Também é possível encontrarmos recursos de suspensão adaptativa com câmaras eletropneumáticas, amortecedores magnéticos ou eletrônicos. São pontos interessantes e que merecem ser considerados, mas a tendência é mesmo a popularização dos controles de estabilidade e tração, com custos cada vez menores!

Verificando se o carro tem controle de estabilidade

Os veículos com ESC contam com um botão indicador, no painel ou no volante, que tem como finalidade desativar/ativar esse recurso. Outra forma de identificar a presença dessa tecnologia no carro é simplesmente conferindo a ficha técnica ou o manual do proprietário — por meio das siglas ESP ou ESC. Aliás, esse último ponto também é o mais recomendado para saber se seu carro conta também com o controle de tração.

Nomenclaturas

Aqui, é bom ter um pouco de atenção com o controle de estabilidade, uma vez que, no caso do controle de tração, quase não há variações. A questão é que a escolha do nome fica, muitas vezes, a cargo da própria fabricante, e isso leva a uma variedade muito grande de termos para um recurso tecnológico que parte do mesmo princípio.

Por exemplo, a montadora Honda optou por chamar o seu sistema de controle de estabilidade de VSA — Vehicle Stability Assist. Mas ainda podemos encontrar termos como Vehicle Stability Enhancement (VSE), Vehicle Skid Control (VSC), Vehicle Stability Control (VSC), Vehicle Dynamic Control (VDC), AdvanceTrac, entre outros. Além disso, ainda temos que considerar as nomenclaturas que respeitam a língua do país onde o carro será comercializado.

Esses dois sistemas são essenciais para a segurança de todos no trânsito, tanto que muitos países já os tornaram obrigatórios. No Brasil, carros novos deverão contar com ESC obrigatoriamente a partir de 2020. Já para todos os veículos leves, a expectativa fica para 2022. Demora um pouquinho, mas é sinal de que estamos avançando!

Agora que você entendeu melhor o funcionamento e as principais características dos controles de estabilidade e de tração, confira também nosso post sobre como fazer a calibragem correta dos pneus. Afinal, quanto mais segurança, melhor!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"