Fique por dentro dos carros que menos perdem valor de revenda

Você sabia que um carro já perde seu valor de revenda no momento em que sai da concessionária? Entretanto, essa queda varia de acordo com o modelo em questão.

A seguir, listaremos algumas das opções de automóveis que menos sofrem com a oscilação de preço, para que você já possa escolher seu novo carro pensando no momento em que terá de vendê-lo.

Interessou-se pelo assunto e quer saber mais? Continue a leitura e confira o conteúdo que preparamos!

Fatores que influenciam no valor de revenda

Não é apenas o modelo que pode induzir um automóvel a valer menos no mercado: algumas atitudes e características são capazes de fazer com que ele perca consideravelmente seu preço de revenda. A seguir, confira as principais.

Quilometragem

Carros com quilometragens muito altas têm dificuldades para encontrar novos donos. Isso porque tal característica mostra que o automóvel é antigo e gasto, mesmo estando em bom estado de conservação.

Estado de conservação

O primeiro detalhe que um comprador interessado no seu automóvel olhará será o aparecimento de manchas ou riscos na lataria. Em seguida, ele fará um apanhado geral da qualidade de conservação na qual o carro se encontra.

Portanto, faça o possível para evitar que arranhados e manchas fiquem no seu veículo. Até mesmo o menor dano pode resultar em uma oferta de preço mais baixa do que a geralmente oferecida no mercado por modelos semelhantes.

Manutenção

Ninguém quer comprar um carro usado que esteja todo danificado e sem revisões regulares — a menos que seja especificamente para desmanche. A razão é simples: a chance de o veículo apresentar problemas é muito alta.

Se problemas forem encontrados, o valor do conserto pode ser bancado pelo novo dono, que já descontará essa quantia no lance de compra. Por isso, sempre leve seu carro para a vistoria nos períodos indicados pelo fabricante e confira se todas as ferramentas ou peças estão funcionando corretamente.

Conservação interna

A parte de dentro do seu veículo também precisa ser conservada. Rasgos nos bancos, problemas no rádio, restos de comida dentro da cabine e muitas outras questões podem fazer com que seu automóvel perca consideravelmente o valor de revenda ou, até mesmo, com que o cliente desista de compra.

Cor

A coloração da lataria também pode fazer com que o carro demore um pouco mais para encontrar um novo dono. Isso acontece porque certas cores tornam a sujeira mais evidente ou são mais visadas por criminosos, pela facilidade de camuflagem no trânsito.

Por isso, prefira tons mais neutros, como branco, preto ou cinza. Essas colorações são bem aceitas no mercado e permitem que você consiga pedir o valor de mercado pelo seu automóvel.

Presença de acessórios

Por mais que pareça uma boa ideia adicionar vários acessórios e equipamentos ao seu veículo, é bastante comum que automóveis com modificações que não vieram de fábrica tenham seus preços reduzidos no mercado.

Vale lembrar que tais mudanças podem afetar diretamente a segurança e a potência do veículo. Alterações na estrutura do carro, como o rebaixamento ou a adição de itens paralelos ao seu exterior, são os que mais sofrem repúdio por parte dos compradores.

Modelos de carros que menos sofrem depreciação de preço

Como já mencionamos, alguns modelos acabam sendo mais aceitos no mercado de revenda e conseguem bons preços na revenda. Por isso, confira abaixo os carros que são bons negócios até mesmo na hora de nos desfazermos deles.

Honda HR-V

Ele é considerado o crossover mais vendido no mercado. Por ser tão comum, o Honda HR-V acaba tendo uma boa procura pelas pessoas que querem carros já usados, pois assim fica bem mais fácil encontrar peças de reposição.

Sua porcentagem de desvalorização pode chegar a apenas 4,5%, permitindo que você consiga um bom preço até mesmo com os tops de linha do modelo.

Honda CR-V

Por falar em top de linha, o CR-V, é o modelo número 1 da marca japonesa. Ele conta com um design bastante sofisticado e imponente, além de conseguir bons desempenhos em diferentes terrenos.

O modelo também dá um verdadeiro show nos quesitos de conforto e segurança, já que traz um espaço interno bem amplo e tecnologias de última ponta. Sua porcentagem de desvalorização está na marca dos 10,1%, o que garante a venda pelo valor de até 133 mil reais com apenas um ano de uso.

Honda City

Um dos mais famosos sedãs da Honda não poderia ficar de fora desta lista. Atualmente, o City é considerado o décimo carro que menos sofre desvalorização no Brasil, sendo possível revendê-lo por preços em torno de 72 mil reais após um ano de uso.

Honda Fit

O Fit também tem uma baixa porcentagem de desvalorização, além de seu modelo 2018 esbanjar conforto, segurança e design para os usuários. O carro é conhecido por seu amplo espaço e bagageiro, que permitem fazer viagens com toda a família sem a necessidade de economizar nas malas.

Jeep Renegade

O potente modelo 4×4 é bem recebido pelo público de usados. O carro sport traz câmbio manual de cinco marchas, sistema de marcha com seis autofalantes, piloto automático e rodas de liga aro 17.

Tecnológico e com amplo espaço, o Renegade é uma ótima forma de se aventurar por terrenos mais irregulares, mas, ainda assim, garantir conforto e segurança a você e seus passageiros.

Chevrolet Onix

Considerado o carro líder de vendas por três anos no Brasil, o Onix é o modelo “feito para os dias de hoje”. Ele consegue se adaptar muito bem aos principais tipos de terrenos e tem as características que o motorista atual espera de um automóvel.

Agora você já sabe um pouco mais sobre os fatores que podem levar o veículo usado a ter seu preço diminuído no mercado e os modelos que menos sofrem com a desvalorização, não é mesmo? Escolha seu próximo carro com a certeza de que, quando precisar trocá-lo, conseguirá um valor de revenda justo e terá ajuda para comprar seu novo companheiro de viagens.

E então, gostou de nosso artigo? Interessou-se por algum dos modelos Honda? Não perca mais tempo: entre em contato conosco!

Saiba mais sobre seguro para carro blindado e suas particularidades

Os veículos blindados são carros especiais que utilizam uma proteção super-reforçada em sua estrutura, normalmente feita de chapas de aço, placas de plásticos e vidros reforçados. O objetivo é proteger os seus ocupantes contra tiros, explosões, tentativas de sequestro e outros tipos de atentados.

A blindagem é especialmente útil para cidades grandes, locais em que os assaltos a mão armada têm acontecido com frequência. Além disso, ela pode ser uma boa opção para pessoas com cargos elevados ou famosas, que precisam se proteger mais do que o normal de possíveis abordagens.

No entanto, ao adquirir um veículo blindado, é preciso pensar em variáveis comuns aos carros tradicionais, como o seguro e a manutenção. Neste post, abordaremos como é o seguro para carro blindado, quais são as diferenças para um seguro tradicional e os fatores que encarecem esse tipo de proteção para o seu automóvel. Acompanhe!

Como é o seguro para carro blindado?

Após despender uma grande quantia em blindagem para o veículo ou adquirir um carro já blindado, é preciso proteger o investimento feito. O processo de blindagem, devido aos pesados materiais e equipamentos instalados, adiciona cerca de 200 quilos de peso ao carro, tornando-o mais resistente, mas, ao mesmo tempo, aumentando o dano a sua estrutura.

Além disso, reparos e toda a manutenção na blindagem do veículo são serviços onerosos e que devem ser feitos em locais especializados para garantir a durabilidade e a segurança dos passageiros.

Devido a tanta complexidade, é natural que o seguro para carro blindado seja diferente do tradicional. Normalmente ele é contratado como uma cobertura adicional e, dessa forma, tem seus próprios valores e diferentes limites de cobertura e indenização.

No entanto, caso a parte afetada do veículo não seja blindada, será utilizada a cobertura tradicional do seguro. Sendo assim, se apenas partes sem blindagem, como o farol, forem atingidas em um acidente, por exemplo, o proprietário paga a franquia referente ao valor do seguro convencional para o seu modelo de veículo.

Quais são as diferenças para um seguro tradicional?

O seguro para carro blindado apresenta algumas particularidades. Primeiramente, é preciso ter em mãos a nota fiscal do serviço de blindagem, que é emitida pela empresa que realizou o serviço. Isso é importante porque existem empresas que realizam bons serviços com materiais de qualidade, enquanto outras nem tanto.

Com esse documento, a seguradora também pode avaliar se a blindagem foi feita de acordo com os padrões da lei, de maneira correta e qual foi o seu custo para calcular o valor do seguro.

Além disso, o proprietário precisa entregar a autorização do exército para blindagem. Qualquer veículo blindado, usado ou novo, precisa ter um certificado de registro emitido pelo exército. Esse documento é pessoal e deve ser renovado a cada três anos, podendo ser feito via despachante.

Por fim, a seguradora também indicará um local especializado para realizar a vistoria do veículo. Esse passo é importante para carros blindados com mais de três anos, visto que normalmente a garantia dura cerca de três a cinco anos. No entanto, ele é realizado em qualquer carro cujo proprietário deseje adquirir o seguro para blindagem, mesmo que o modelo não tenha nenhum quilômetro rodado.

Por que ele é mais caro?

É natural que o valor do seguro para carro blindado seja mais alto do que para veículos tradicionais. Afinal, o conserto e a manutenção desses será mais complexa e, assim, mais onerosa. Normalmente, uma intervenção em automóveis com blindagem pode custar até 50% a mais do valor suficiente para reparar um carro convencional.

Dessa forma, é preciso que a seguradora tenha recursos suficientes caso haja algum acidente ou sinistro com o automóvel. É importante saber que o valor depende do modelo do carro, do tipo de blindagem feita (devido a sua qualidade) e também do condutor. Isso porque o perfil e risco de cada condutor é individual, o que pode aumentar ou diminuir o valor do seguro.

Além disso, existem serviços que cobrem somente os itens básicos, enquanto outros englobam qualquer peça do automóvel, o que também influencia no preço do seguro.

O seguro pode encarecer cerca de 50% quando comparado ao serviço para um carro tradicional. A blindagem para um modelo Hatch custa cerca de R$ 32.000,00, por exemplo. A cotação do seguro sem blindagem fica em torno de R$2.100,00, enquanto o valor com seguro para blindagem custa cerca de R$ 3.000,00.

Já para um modelo sedã, cuja blindagem custa em torno de R$45.000,00, a cotação sem blindagem é cerca de R$ 2.400,00 e a com blindagem R$ 3.500,00.

Como contratar esse tipo de seguro?

O seguro para carro blindado não é feito por qualquer seguradora, visto que os serviços são especializados e muitas vezes saem mais caros do que o do carro tradicional. Dessa forma, é preciso, primeiramente, encontrar uma empresa que ofereça esse tipo de seguro.

Após análise dos documentos citados acima, a empresa leva em conta outras variáveis, como o modelo do veículo. Carros importados e de alto valor do mercado podem ser recusados em algumas seguradoras, devido ao alto valor de seus reparos.

Além disso, serviços feitos em empresas de blindagem com má reputação no mercado também podem ser recusados. É por esse motivo que, antes de adquirir um automóvel blindado, seja ele usado ou novo, deve-se pesquisar bastante sobre sua procedência e a qualidade do serviço de blindagem feito.

Normalmente as seguradoras também optam por recusar carros blindados com blindagem feita há mais de 5 anos. Isso porque, como falado, esse é o prazo em que termina a garantia das empresas que realizaram o serviço. Esse processo é mais fácil para veículos que já contam com o seguro e agora desejam renová-lo. Sendo assim, é indicado adquirir o seguro para carro blindado o mais precocemente possível.

A escolha do seguro para carro blindado deve ser feita com cautela. Além disso, após adquiri-lo, deve-se realizar a manutenção periodicamente e manter o carro em boas condições para que a revenda seja feita sem problemas. Quer saber mais informações sobre seguro? Acesse o nosso post e se informe sobre o seguro obrigatório DPVAT!

Cores de carro: confira as tendências para 2019

Você sabia que há um estudo organizado pela Basf — fornecedora química para indústrias automotivas de todo o mundo — sobre as principais cores de carro que serão tendência no ano de 2019? De acordo com essa pesquisa, as cores foram definidas conforme a região, já que geram uma conexão entre natureza e áreas urbanas com o veículo.

Neste texto, falaremos sobre algumas dessas cores, além de abordar as colorações que já são sucesso em solo brasileiro. Acompanhe para que possa “desfilar” pelas estradas sempre na moda e ainda encontrar um bom preço na hora da revenda!

Quais são as cores de carro que farão sucesso em 2019?

O principal tema abordado pela empresa na escolha das cores foi a necessidade de autenticidade em um mundo onde a tecnologia se torna cada vez presente e põe em xeque os limites entre o real e o artificial.

Atomium Sky

Esse é um azul em tom saturado e com textura um pouco áspera, o que deixar a cor suave e, ao mesmo tempo, semiopaca. A empresa aponta como uma das colorações mais promissoras, principalmente para a América do Norte.

A Basf afirma que Atomium Sky tem o propósito de exalar mais alegria, além de ser uma cor que remete ao futurismo e ao pensamento avançado.

Gray Ambivalence

É um cinza brilhante e metálico, que representa a junção da tecnologia com a vida diária da população, além de ter uma base sólida que remete ao mundo real. Essa cor estará mais presente nas regiões da Ásia e do Pacífico.

The Urbanist

O nome foi escolhido justamente porque representa o meio urbano e tecnológico. A criação de The Urbanist considerou principalmente as regiões da Europa, Oriente Médio e África.

Especialistas afirmam que o cinza é comumente associado ao concreto e, consequentemente, à urbanização. Também representa o cosmopolita urbano na interação entre o ser humano e a tecnologia.

Além de apontar as principais cores, a Basf afirma que tons comuns, como preto e branco, ganharão mais sofisticação em sua composição.

A PPG, grande empresa do ramo de produção de verniz para carros, também divulgou uma lista com as cores que terão maior visibilidade no próximo ano. Opções coloridas e brilhantes e que, assim como as cores escolhidas pela Basf, também remetem a tecnologia e a uma temática mais futurista e moderna.

Quais são as cores preferidas dos consumidores atualmente?

As cores neutras e sólidas sempre acabam tendo o seu espaço, tanto no mercado quanto no gosto dos consumidores. Afinal, combinam com qualquer personalidade e ainda servem de atrativo para negociações no mercado de seminovos e usados.

Prata

Seguindo a linha das opções propostas pela Basf, o prata atualmente é uma das cores mais procuradas pelos consumidores de veículos. Isso porque naturalmente remete a tecnologia, bem como já externa personalidade por parte do condutor, mesmo que de forma discreta.

Além disso, a cor prata também tem utilidades e benefícios, como o de esconder riscos e certas sujeiras. Ela tem uma procura alta por quem busca um carro de segunda mão.

Preto

O pretinho básico também não poderia estar fora dessa lista. É uma cor que remete elegância e luxo, o que acaba caindo no gosto de brasileiros e motoristas em todo o mundo.

Entretanto, é preciso cuidado por parte de quem mora em lugares muito quentes. Isso porque a cor preta, assim como demais tons escuros, tende a absorver calor, o que deixa a cabine do veículo mais quente que o usual.

Cinza

Diferentemente do prata, o carro cinza é mais fosco e não tem tanto brilho em sua lataria. Também é muito escolhido por pessoas mais discretas, mas que ainda querem um pouco de personalidade.

À noite, os carros cinzas ainda garantem maior visibilidade no trânsito porque são revestidos com uma cor que reflete a luz emitida pelos faróis dos outros veículos, o que evita acidentes.

Branco 

A cor branca também é muito cotada por motoristas. Já foi associada a carros de taxistas e outros profissionais, mas essa visão tem mudado com o passar dos anos. Tal mudança faz com que a coloração seja cada vez mais popular.

Uma das vantagens de adquirir um modelo na cor branca é a sensação de ter maior espaço interno, o que dá mais conforto para o motorista e demais passageiros. Entretanto, é preciso certo cuidado, já que riscos e manchas acabam ficando mais aparentes porque contrastam com uma coloração tão clara.

Vermelho

Entre os tons chamativos, o vermelho é a cor mais visada, principalmente por pessoas que adquirem carros esportivos ou que querem transmitir uma personalidade de adrenalina.

Além disso, automóveis com a cor vermelha costumam ser mais baratos que suas versões em cores neutras, já que tendem a apresentar menor demanda.

Azul

Carros azuis são modelos que fazem sucesso entre as pessoas mais tímidas ou calmas. Apesar de a variação escura ser uma aposta de tendência para os próximos anos, ainda é uma coloração pouco procurada pelo público em geral, que já se acostumou com tons mais neutros.

Assim como o branco, carros na coloração azul deixam marcas de arranhões e manchas mais evidentes, então, é preciso tomar cuidado ao manusear o veículo ou fazer pequenos reparos para a eliminação dos riscos.

Verde

Por último, a cor verde também pode ser encontrada em muitos veículos, principalmente entre os motoristas que se preocupam ou gostam de estarem conectados com a natureza e meio ambiente.

A principal vantagem de adquirir um modelo com esse tom é o seu preço bastante baixo em comparação a veículos de outras cores. Também é um tipo menos visado por ladrões porque traz uma cor pouco procurada no mercado de carros usados.

Assim, conhecendo as principais cores de carro que tomarão as ruas de todo o planeta, você poderá escolher ou estilizar o seu próprio veículo para que ele esteja sempre na moda e tenha chance de ser revendido por um bom preço no mercado de seminovos e usados.

Gostou do texto? Então, siga nosso perfil no Twitter, Facebook e Flickr para conferir conteúdos exclusivos!

Veja quais são os 6 carros preferidos das mulheres

Por natureza, as mulheres são pessoas cuidadosas, detalhistas e muito exigentes. Por isso, quando procuram por carros, são muito atenciosas e caprichosas. Características como design, elegância e conforto estão entre as mais buscadas por elas.

O número de mulheres com habilitação tem crescido significativamente a cada ano. Isso apenas deixa claro o quanto elas se interessam pelo mundo dos automóveis. Além disso, elas são muito mais cuidadosas no trânsito do que os homens: estatísticas mostram que as mulheres se envolvem em bem menos acidentes quando comparadas a motoristas do sexo masculino.

Mas quais são os carros preferidos das mulheres? E o que faz deles algo especial para elas? Continue a leitura e descubra essas e outras respostas!

O que as mulheres buscam em um carro?

Logo no início, apontamos que o público feminino é muito exigente, e isso faz com que as mulheres sejam especialistas na hora de observar os detalhes dos carros antes da compra.

Há vários pontos que podemos elencar entre aqueles mais avaliados por elas. Entretanto, dentre eles, há alguns que se sobressaem em um ou outro aspecto, por:

  • espaço para a cadeirinha de bebê;
  • tecidos confortáveis;
  • espelhos iluminado;
  • porta objeto;
  • elegância;
  • conforto;
  • curvas;
  • facilidade de estacionar;
  • compacto;
  • bancos e volante com regulagem.

Olha que esses são apenas alguns dos aspectos observados. As mulheres também estão cada vez mais atentas a questões que farão a diferença em médio e longo prazo, como valor do seguro do carro, IPVA, preço de combustível, tipo de combustível e custo com a manutenção.

Todos esses fatores costumam fazer parte da lista do público feminino na hora de escolher os carros preferidos das mulheres.

A procura de carros por mulheres é grande?

Curiosamente, a maioria das mulheres acha que a procura de carros por elas é muito baixa. Na realidade, pesquisas comprovam que as mulheres estão cada vez mais interessadas no mercado automotivo e influenciam muito as compras de carros novos.

Para termos uma ideia do tamanho do poder do público feminino, basta tomar o exemplo do estudo realizado pela Jumpstart Automotive, que apontou que, nos Estados Unidos, elas representam 65% dos compradores. Isso é algo em torno dos 300 bilhões de dólares por ano.

Existem carros para mulheres?

Bom, ainda não existe uma fabricante que fale em veículos desenvolvidos exclusivamente para o público feminino. Mas, como observamos pelos modelos apontados, elas estão, sim, preocupadas em atendê-las da melhor forma possível. É por isso que é cada vez mais comum vermos investimentos e otimizações em termos de visibilidade, espaço interno, praticidade para estacionar, design e conforto.

Há outro detalhe fundamental que torna as mulheres o consumidor ideal: elas são boas no volante! Acidentes envolvendo mulheres apresentam números infinitamente menores do que aqueles envolvendo homens. Basta observar os números de indenizações de trânsito nesse sentido.

As empresas e seguradoras sabem disso e investem em formas de atrair essa clientela especial. Se você é mulher, aproveite tudo o que o mercado está começando e continuará a oferecer para sua comodidade e segurança!

A seguir, selecionamos algumas das versões de carros mais populares entre o público feminino. Você poderá observar que,  para a decisão pelo carro ideal, elas consideram muito mais coisas do que um “carro bonitinho”. Vamos lá!

1. Honda Fit

O Honda Fit tem uma posição de destaque na preferência do público feminino. É um carro para mulheres que gostam ou precisam de espaço. Na realidade, estamos falando de um veículo que foi pensado para a família. Um dos grandes destaques é o banco traseiro com espaço de sobra para o transporte de crianças, cadeirinhas e bagagens diversas.

A versão 2017 do Honda Fit tem airbags de cortina, GPS integrado e central multimídia. Além disso, ele é vendido em cinco versões com motores 1.4 e 1.5. O preço pode chegar aos 70 mil nas versões de ponta. O conforto e todas as possibilidades do carro fazem tudo valer a pena!

2. Volkswagen Fox e CrossFox

Muitas mulheres optam por carros mais elevados, pois permitem uma melhor posição em relação à altura, além de serem mais imponentes. Nesse sentido, o Fox e o CrossFox são excelentes opções.

Mas entre eles o Fox merece destaque devido ao seu número de versões. Há opções 1.0 e 1.6 com câmbio manual ou automatizado. Os preços médios ficam em torno dos R$38.500 para as versões mais básicas e R$55,000 para as versões mais completas.

3. Citroën  C3

O Citroën  C3 conta com design cheio de curvas que consegue atrair a atenção. Por ser compacto e confortável, está entre os carros preferidos das mulheres. Além disso, ele é um veículo fácil de ser estacionado, fato que facilita muito a vida das meninas que moram em grandes centros urbanos onde encontrar vagas é um problema.

O Citroën  C3 é vendido em versões com motor 1.4 ou 1.6 com opções de transmissão automática e manual. Já os preços oscilam entre os R$38.490 e R$43.490.

4. Fiat Idea

O Fiat Idea é espaçoso, bonito e versátil. Essas características fazem com que esse modelo esteja presente entre os carros preferidos das mulheres. Além disso, há uma ampla variedade de opções. Recentemente, ele recebeu um novo visual, com características mais modernas e algumas melhorias em seu interior.

Por ser uma minivan muito estilosa, o Idea atende perfeitamente à necessidade do público consumidor composto pelas mamães.

Além disso, ele conta com quatro versões e três opções de motorização: 1.4, 1.6 e 1.8. Os preços oscilam entre R$45.570 e R$56.980. Vale observar que, nesses valores, não estão incluídos a variada lista de itens de série, como os airbags laterais e o teto solar.

5. Kia Soul

O Kia Soul sabe como chamar a atenção das mulheres. Tem um design moderno e elegante e ainda vem com vários compartimentos para guardar objetos — algo fundamental para muitas mulheres que precisam passar boa parte do dia dentro do carro.

Esse carro conta com um motor 1.6, sistema multimídia com câmera de ré integrada e até bluetooth com reconhecimento de voz. A transmissão é automática e de seis velocidades. Já os preços partem dos R$89.000.

6. Ford Ka

O Ford Ka foi lançado no Brasil lá em 2007. Mas, desde o início, conseguiu cativar as mulheres. Em sua versão 2017, podemos encontrar as opções 1.0 com 85 cavalos e 1.5 com 110 cavalos. O câmbio automático vem como opcional, e os preços ficam entre R$40.000, para a versão mais básica, e R$50.000 na opção mais completa.

Por fim, o que não faltam são opções de carros que agradam a qualquer tipo de perfil feminino. A dica é analisar suas necessidades e o que pretende com o veículo. Depois, é só pesquisar para encontrar o melhor preço!

Então, gostou de conhecer alguns dos carros preferidos das mulheres e como o mercado está se preparando para atendê-las melhor? Aproveite e assine nossa newsletter para receber, em primeira mão, todas as novidades de nosso blog!

Conheça 8 aplicativos fundamentais para motoristas

Sem dúvida, os aplicativos para smartphone viraram uma grande febre em todo o mundo. Atualmente é possível encontrar as mais diversas funcionalidades nessa tecnologia, o que simplifica a vida cotidiana tanto no âmbito pessoal quanto no profissional. No mundo automotivo essa realidade não é diferente.

Há vários aplicativos para motoristas que podem simplificar as atividades do dia a dia. Eles auxiliam na definição da rota, na economia do combustível e até na gerência de aspectos técnicos do automóvel. Pensando nisso, separamos neste post quais são os aplicativos que todo condutor deve ter em seu celular. Confira!

1. Carango

O Carango é um aplicativo muito útil para os motoristas que controlam o desempenho geral do seu carro.

Para isso é preciso que o dono do automóvel cadastre dados como o modelo, a placa, o ano, a marca, a distância percorrida pelo veículo e o volume total de litros do tanque de combustível. Além disso, o motorista insere informações, como abastecimentos, trocas de óleo, revisões, manutenções realizadas, gastos extras com o veículo, multas, custo do seguro e idas ao lava jato, entre outras informações.

Assim, o aplicativo gera uma síntese de todas as informações do carro por meio de gráficos e relatórios, que incluem o total gasto com o veículo, a evolução do preço do combustível, um resumo dos abastecimentos e outras facilidades para o condutor.

Esse aplicativo está disponível para Android e iOS e possui uma versão gratuita. A versão paga conta com alguns adicionais e maior número de gráficos.

2. Drive Awake

O Drive Awake é uma ótima opção de aplicativo para pessoas que costumam dirigir à noite ou trabalham em turnos muito longos. Isso porque, por meio da câmera frontal, o aplicativo consegue realizar um rastreamento das expressões faciais e detectar sinais de sonolência.

Se julgar que o motorista está ficando com sono, o aplicativo dispara um alarme sonoro alto para mantê-lo acordado. Assim, dormir no volante não será mais um risco.

O Drive Awake está disponível para iOS e Android e é gratuito.

3. Onde parei?

Sem dúvidas, qualquer motorista já perdeu o automóvel ao estacionar dentro de um shopping center lotado. O mesmo acontece na rua, quando se para longe do local onde é o compromisso ou não se conhece muito bem a área. Além disso, no dia a dia corrido é comum que as pessoas saiam apressadas do carro e esqueçam onde ele foi estacionado.

Pensando em resolver esse problema, o aplicativo Onde parei? foi criado. Isso porque ele memoriza o último local em que o veículo esteve, além de oferecer a facilidade de programar um alarme para que lembre o usuário da localização certo tempo depois.

Esse aplicativo inteligente é gratuito e está disponível tanto para iOS quanto para Android.

4. Trekken

Além de ser extremamente perigoso, dirigir sem prudência pode acarretar multas onerosas para o orçamento. O Trekken foi desenvolvido para pessoas que desejam dirigir com maior consciência, o que beneficia a terceiros e a ela mesma.

Para isso, o aplicativo fornece dados sobre o comportamento do motorista em curvas, a velocidade média do veículo, a aceleração e se o smartphone foi utilizado durante o trajeto, por exemplo. Essa é uma grande vantagem, visto que por meio das informações é possível estimular uma direção mais responsável.

O interessante é que, além de ser gratuito para motoristas, há um acúmulo de pontos para quem utiliza o Trekken, que podem ser trocados por serviços e produtos parceiros do aplicativo. Empresas que possuem frotas precisam pagar pela funcionalidade, mas há o benefício de monitorar os veículos.

5. Carrorama

A maioria dos motoristas tem controle sobre os gastos com combustíveis ou com idas as oficinas, não é mesmo? Errado! Na realidade, quando aparece um problema é comum que o dono apenas leve o veículo a uma oficina e pague pelo serviço. Desse modo, ao longo de um período, não se sabe quanto gastou com o carro.

O mesmo acontece com o combustível. Quando há necessidade, o motorista enche o tanque do veículo, mas no fim do mês não sabe ao certo qual foi a fatia do orçamento destinada a esse fim.

O Carrorama foi criado para que os proprietários de veículos saibam exatamente quanto gastaram com o automóvel. Para isso ele permite o cadastro de todas as despesas referentes ao carro, como o combustível, pedágio, multas e revisões.

O aplicativo é gratuito e também está disponível para iOS e Android.

6. HERE

O HERE é um serviço de mapas oferecido pela Nokia, mas está disponível para Android, iOS e Windows Phone. Nele, o usuário pode baixar os mapas que deseja e consultá-lo offline, o que é uma ótima economia do pacote de dados móveis para o smartphone. O download do Brasil todo, por exemplo, não ocupa nem 1GB de memória do celular.

Além disso, ele também pode sugerir rotas de carro, a pé ou com transporte público, mas para isso precisa estar conectado à internet.

7. Econoflex

Com os preços da gasolina e do álcool mudando semanalmente, é possível que o motorista não saiba qual é mais vantajoso. Pensando nisso, o Econoflex calcula qual dos dois combustíveis vale mais a pena, o que ajuda proprietário a ter uma boa economia.

Quem possui um carro flex deve baixar o app, que é gratuito e está disponível para Android e iOS.

8. Yelp

Para quem gosta de sair, o Yelp pode ser uma ótima opção de localizador de bares, restaurantes e outros estabelecimentos. Nele é possível achar locais filtrando informações como a distância da residência e a faixa de preço. O aplicativo ainda possui uma área em que os usuários podem deixar comentários e avaliar o estabelecimento.

Os motoristas que já estão na rua e querem escolher um lugar para ir ainda têm outra facilidade, visto que ao apontar o smartphone para alguma direção, o Yelp localiza locais próximos. Ele está disponível para Windows Phone, iOS e Android.

Os aplicativos para motoristas podem facilitar a vida no trânsito, não é mesmo? No entanto, lembre-se que usar o celular durante a condução é perigoso, visto que o motorista se distrai e pode causar acidentes. Sendo assim, use os apps somente quando estiver parado ou antes de sair de casa.

Quer receber mais novidades como esta sobre o mundo automotivo? Assine a nossa newsletter e receba artigos diretamente em seu e-mail!

Direção elétrica ou hidráulica: entenda as principais diferenças

Desde o nascimento do automóvel moderno, no final do século XIX, houve uma grande evolução dos carros, visando melhorá-los em alguns quesitos como conforto, potência, segurança, entre outros. Um dos avanços mais relevantes foi a adoção da direção elétrica ou hidráulica que, nos dois casos, substitui com louvor a pesada e ineficiente direção mecânica.

Para o motorista menos experientes em dirigir carros com diferentes tipos de direção, é maior a diferença entre a direção elétrica e a hidráulica. Porém, elas existem e vão além da sensibilidade passada ao condutor, englobando também outras características que influenciam na manutenção, economia de combustível, potência e no valor de compra do veículo novo.

Descubra, agora mesmo, as grandes diferenças entre as duas tecnologias de direção dos carros! Continue conosco!

Direção hidráulica: eficiente, segura e de menor custo

Quando a direção hidráulica foi introduzida em carros disponíveis ao público, sua intenção era facilitar o processo de guiar o carro, tornando o volante mais leve e possibilitando girá-lo menos, de forma a virar totalmente as rodas para os lados.

Conforme foi adotado o padrão de alocar os motores dos carros na parte da frente, tornando o carro mais pesado na parte frontal, selecionar uma direção mais leve foi bastante necessário, disparando e popularizando o sistema no mundo todo, isso ainda no final do século XX.

De certa forma, é fácil explicar o seu funcionamento: a caixa de direção, no caso da assistência hidráulica, fica completa de óleo, que é mantido sob pressão por uma bomba, enquanto o carro está em funcionamento. Quando o volante é movimentado pelo motorista, o mecanismo dentro da caixa de direção conduz o fluxo do óleo, de forma que sua pressão “empurre” todas as rodas para o lado correto, permitindo menor esforço para quem está ao volante.

Quem mantém a bomba de óleo em funcionamento é o motor do veículo, através de uma correia, da mesma forma que algumas outras peças (compressor de ar condicionado, alternador, etc.). Nesse caso, enquanto o veículo está com o motor ligado, o óleo da caixa de direção está sendo pressurizado, pronto, então, para auxiliar o sistema. Mesmo quando se conduz o carro em linha reta, o mecanismo está sob pressão.

Vem, então, a parte que desabona um pouquinho a direção hidráulica: como quem impulsiona a bomba de óleo é o motor do carro, parte de sua força gerada é utilizada para tal função. Com isso, o veículo tende a consumir cerca de 5% a mais de combustível, uma vez que o motorista necessita acelerar um pouquinho mais para compensar a perda de energia que ocorre na entrega da potência para as rodas.

Outra questão é quanto à manutenção. Como o sistema da caixa de direção com assistência hidráulica tem correia, bomba, êmbolo, entre outras partes internas, com o tempo de uso há desgaste, o que demanda verificação, troca do óleo, e substituição de partes do sistema.

Direção elétrica: mais moderna e com menor manutenção

A introdução dessa tecnologia no mercado de automóveis se deu para contornar duas deficiências da direção hidráulica: a necessidade de manutenção do sistema e o aumento do consumo do motor.

A finalidade é a mesma do outro sistema, mas, como teve concepção mais moderna, tem como característica ser ainda mais leve do que a direção hidráulica. Seu funcionamento é ainda mais simples: existe um motor elétrico junto a caixa de direção, auxiliando no acionamento do mecanismo dela.

Com a adoção desse motor elétrico, carros com motores mais fracos puderam contar com a assistência junto ao volante, nesse caso, sem perdas no desempenho e no consumo do carro.

Na prática, quando o motorista vira o volante, sensores detectam seu movimento e calculam, com a ajuda de um computador, a força a ser aplicada para virar as rodas. Algumas variáveis como a velocidade atual do veículo são consideradas no processo, tornando a direção elétrica também mais inteligente.

Além disso, como o sistema conta com um “cérebro” eletrônico, é possível que o fabricante do veículo possa alterar seu funcionamento atuando no módulo do carro, conforme seu projeto ou evolução.

A manutenção desse sistema é praticamente desnecessária, visto que não há uso de óleo, bomba, correia, entre outros componentes mais propensos a se desgastarem. Além disso, é um sistema que dificilmente cria alguma dor de cabeça.

A melhor escolha entre direção elétrica ou hidráulica

Atualmente, o mercado de veículos conta com carros dotados de direção elétrica, direção hidráulica e ainda a direção mecânica, essa última bem mais pesada e sem nenhum benefício tecnológico.

Para dirigir, considerando os carros do momento, a diferença entre as duas é quase imperceptível, com uma pequena tendência para que a direção elétrica seja mais leve, e a sensação maior no momento de manobras de estacionamento, ou qualquer outra com o veículo parado. Quando se compara com a direção mecânica, nota-se que as duas necessitam menos voltas, o que é outro grande benefício.

Falando de manutenção, a direção hidráulica demandará checagens e algumas manutenções, porém nas revisões de quilometragens mais altas, provavelmente após ultrapassar os 100.000km, necessitando, antes disso, apenas de troca no óleo da direção.

O aspecto final é o valor do veículo. Como o conjunto da direção elétrica é mais moderno e, com isso, mais caro, os fabricantes repassam esse valor ao veículo a ser comercializado, fazendo com que os dotados de direção elétrica tenham, normalmente, um valor de venda um pouco mais alto do que os dotados de direção hidráulica.

Para descobrir qual é a melhor opção para seu caso, durante a compra de um novo carro, visando mais conforto, segurança e menos problemas, analise cada opção. Teste os veículos em condições mais comuns, manobrando-os para estacionar, realizando curvas, desvios, fazendo com que qualquer ineficiência possa ser percebida. Se notar que há compensação em adotar a direção elétrica, não hesite em optar pela mesma.

Então, gostou de descobrir quais são as maiores diferenças e como optar pela direção elétrica ou hidráulica? Não deixe de baixar o e-book, que traz ainda mais esclarecimentos para a compra do seu próximo carro!

Entenda definitivamente como fazer revisão anual do carro

Você certamente já foi a alguma drogaria para comprar apenas um item e saiu do estabelecimento com vários outros, não é mesmo? Em grande parte, o consumo exagerado é culpa do vendedor, que pratica a “empurroterapia”.

Esse “golpe” é fácil de aplicar e acontece com frequência nas oficinas e concessionárias, já que a maioria dos donos de carros não sabe muito sobre manutenções e consertos. Desse modo, durante uma revisão, é provável que o automóvel precise somente de alguns serviços, mas saia com várias outras “melhorias” que oneram o proprietário.

Pensando em ajudar você a economizar, preparamos este artigo com algumas dicas sobre os principais pontos a serem observados durante a revisão anual do carro. Assim, é possível enxugar o orçamento e, ainda, confirmar se o trabalho está sendo feito com eficiência e cuidado. Acompanhe!

Pneus

Verificar o estado dos pneus é extremamente importante não apenas antes de viajar (o mais comumente feito pelas pessoas), mas também no dia a dia. Isso porque a má conservação desses itens gera gastos desnecessários, expondo condutor e terceiros a riscos desnecessários.

Na lateral dos pneus, existe um ressalto de borracha entre os sulcos, que é conhecido pela sigla TWI (Tread Wear Indicator), ou um triângulo, que tem 1,6 mm de profundidade. Com o tempo, o pneu chega ao seu limite de desgaste e esses marcadores somem. Ele é, então, considerado careca, sendo necessária a troca.

Pneus com bolhas, furos ou rasgos devem ser trocados imediatamente, assim como os que estão com a data de validade vencida. Outro modo de verificar o desgaste é constatar se o sulco cobre a cabeça de um palito de fósforo. Caso isso não ocorra, eles também devem ser trocados.

Além disso, é importante observar se o alinhamento (processo que regula os ângulos de direção e suspensão do veículo), o balanceamento, a cambagem e a calibragem dos pneus foram feitos. Por fim, verifique a fixação das rodas, dos aros e das calotas.

Sistema de freios

sistema de freios é um dos principais componentes de segurança de um carro. Mesmo que pareça de simples funcionamento, o sistema é complexo e exige manutenção constante. Seu mecanismo consiste, basicamente, na conversão de pressão hidráulica em mecânica.

Após o mecanismo ser acionado, é possível fazer com que o automóvel diminua a velocidade até parar. Os itens que precisam ser checados estão na lista abaixo, mas é necessário verificar quais são os prazos de troca junto ao fabricante:

  • pedal;
  • servo freio;
  • fluido;
  • cilindro mestre;
  • canos e mangueiras;
  • discos;
  • pastilhas;
  • lonas;
  • tambores.

Sistema de iluminação e sinalização

Pode parecer irrelevante, mas é essencial checar todos os itens de iluminação do veículo, pois esse é seu meio de comunicação no tráfego. Assim, verifique o funcionamento de lanternas, piscas, faróis e setas.

No farol principal, deve-se observar o posicionamento, a regulagem, a cor que a luz emite e a comutação. Também é importante verificar o farol de neblina e o de longo alcance.

A iluminação da placa traseira e as luzes-piloto são outros itens que devem estar em pleno funcionamento. A dica é substituir ambas as lâmpadas se uma estiver queimada, visto que a vida útil delas é exatamente a mesma. Desse modo, a outra queimará em breve e terá que ser substituída. Para evitar outra visita à oficina, troque ambas na mesma oportunidade.

Já na revisão do sistema de sinalização, é preciso conferir todas as lanternas, como:

  • as indicadoras de direção;
  • de advertência;
  • de freios;
  • de marcha à ré;
  • de posição;
  • de neblina traseira.

Parte elétrica

Sem dúvidas, o sistema elétrico do carro é uma de suas partes mais delicadas. Alguns pontos devem ser revisados periodicamente para evitar problemas no trânsito ou danos ao automóvel.

O primeiro deles é a bateria, responsável pela alimentação de toda a parte elétrica do veículo. Sua vida média é de cerca de 4 anos, mas é imprescindível verificar seu funcionamento anualmente. O alternador é outro componente importante para o sistema elétrico, visto que, sem ele, o carro dependeria somente da bateria (o que não é aconselhável).

Os vidros e as travas elétricas também merecem atenção. Além de cuidarem do conforto dos ocupantes do carro, esses itens são essenciais para manter a segurança. Afinal, uma janela aberta pode molhar todo o interior do veículo em um dia de chuva, além de oferecer facilidades para assaltantes.

Por fim, é fundamental que o proprietário verifique se a instalação do sistema de alarme e som automotivo ocorreu da maneira correta. Isso porque o funcionamento indevido pode prejudicar a vida útil da bateria e, assim, de toda a parte elétrica do carro.

Equipamentos obrigatórios

Alguns proprietários de veículos não fazem ideia, mas existem vários itens que são considerados equipamentos obrigatórios — cuja falta (ou mau funcionamento) é considerada infração de trânsito. É essencial realizar uma verificação anual, pois ela resulta em uma condução mais econômica e segura para os ocupantes do carro.

Entre esses componentes, podemos citar:

  • para-choques dianteiro e traseiro;
  • espelhos retrovisores interno e externo;
  • lavador e limpador de para-brisas;
  • velocímetro;
  • cinto de segurança;
  • triângulo de sinalização e demais ferramentas para realizar a troca de pneus;
  • macaco hidráulico;
  • buzinas;
  • airbags.

É importante salientar que, muitas vezes, as revisões são descritas como procedimentos que devem ser feitos antes de viajar. No entanto, esse é apenas um cuidado a mais, visto que um automóvel que realiza as revisões anuais de forma correta não terá problemas. Assim, seria necessário verificar somente detalhes, como o alinhamento dos pneus.

Apesar de terem um preço elevado, as revisões periódicas são mais econômicas do que as corretivas. Mas, para evitar a “empurroterapia” nas oficinas e enxugar o orçamento, é interessante saber em quais itens essa prática acontece com frequência (como na limpeza dos bicos, troca de pneus e higienização do ar-condicionado).

Como vimos, a revisão anual do carro é essencial para mantê-lo em condições seguras. Para evitar gastos extras, atente aos pontos que abordamos neste artigo. Por fim, não deixe de ler as orientações específicas para cada veículo no manual do proprietário.

Ainda tem dúvidas sobre a revisão anual do carro? Então, baixe o nosso guia sobre manutenção de veículos agora mesmo e aprofunde seus conhecimentos sobre o assunto!

Descubra como fazer a calibragem dos pneus do seu carro corretamente

Você sabia que a calibragem dos pneus garante mais segurança na hora de dirigir? Além de deixar o carro mais estável, colabora também com a redução do consumo de combustível. Mas quando é feita da maneira incorreta, pode colocar em risco as vidas dos ocupantes do veículo e prejudicar o desempenho do carro.

O ideal é que a calibragem dos pneus seja feita a cada 15 dias, sempre com eles frios ou rodados por, no máximo, 3 km até o posto. Essa é uma rotina que precisa ser mantida, seguindo a pressão recomendada pelo fabricante — e que se encontra no manual do automóvel e, às vezes, na porta do motorista.

Descubra como fazer a calibragem dos pneus do seu carro corretamente e tenha acesso às principais informações sobre essa rotina. Boa leitura!

Descubra a pressão correta dos pneus do seu carro

Essa é uma informação essencial para que você cumpra com a rotina quinzenal de calibragem dos pneus. Como a pressão correta muda de acordo com o tipo de pneu e modelo de carro, é responsabilidade dos fabricantes informar o valor para os pneus do seu automóvel.

Você pode encontrar essa informação dentro do veículo. Observe se há uma indicação na porta do carro, do lado do motorista. Verifique também se existe algum adesivo com anotação no para-brisa ou no espelho do para-sol. O manual do carro também é uma fonte de consulta segura.

Verifique a pressão dos pneus a cada 15 dias

A pressão dos pneus do seu carro deve ser verificada, no mínimo, a cada 15 dias, ou antes de encarar uma longa viagem pela estrada. Se você usa o carro todos os dias, pode calibrar os pneus semanalmente — pois a má qualidade do asfalto brasileiro e a quantidade de buracos e desníveis diminuem ou aumentam a pressão neles.

E a dica da estrada é importante! É nessa situação que o veículo tende a ficar sobrecarregado, com a lotação máxima de passageiros e bagagens. Some isso à situação das estradas e obtenha, como resultado, mais um fator que colabora com o descalibramento dos pneus. Pode ser necessário que você aumente a pressão neles.

Encontre um posto de combustíveis confiável

Os aparelhos que fazem a calibragem dos pneus estão em postos de combustíveis, oficinas mecânicas e lojas especializadas. O mais comum é parar em um posto e fazer o processo de calibragem, que não custa nada. Se você usa bastante seu automóvel, pode fazer isso sempre que for abastecer.

Esses equipamentos são muito fáceis de usar. Desligue o automóvel, desça dele e vá até a máquina. Ela apresenta um número, que é a da última calibragem solicitada. Coloque o valor da pressão indicada pelo fabricante do seu carro, ajustando o número para mais ou menos nas setas indicativas ao lado da tela.

Desenrole a mangueira da máquina e vá até o automóvel. Retire a tampa de cada pneu, um por vez, e encaixe o bico da mangueira com firmeza. O equipamento de calibragem vai funcionar e, quando alcançar a pressão solicitada, emitir um alarme para que você finalize o procedimento.

Basta repetir esse processo nas demais rodas do carro. Em alguns locais, existem profissionais que auxiliam na calibragem dos pneus — pois a máquina pode estar ao lado das bombas. No fim, é provável que suas mãos estejam sujas. Não se preocupe, pois sempre há uma torneira por perto para que você se limpe.

Escolha entre nitrogênio e ar comprimido

Se você é um bom observador, vai perceber que algumas máquinas de calibragem oferecem ar comprimido e outras, nitrogênio. Essa diferença pode gerar dúvida. Afinal, qual escolher? Caso fique diante desse dilema, saiba que o nitrogênio mantém por mais tempo a pressão solicitada no pneu.

Isso acontece porque o nitrogênio é menos suscetível às mudanças de temperatura. Ele expande e contrai menos do que o ar comprimido. Logo, a calibragem com ele faz com que o pneu seja menos desgastado e a pressão permaneça correta por mais tempo — o que não tira a necessidade de verificação a cada 15 dias.

Calibrar o pneu com nitrogênio é algo muito comum em corridas, pois melhora o desempenho do automóvel nas pistas. Contudo, destacamos que não é indicado misturar os dois tipos de ar. Sendo assim, mantenha-se fiel ao tipo de calibragem adotada e, caso queira trocar, procure uma oficina mecânica para esvaziar o pneu.

Conheça a importância da correta calibragem dos pneus

Um acidente pode ser causado por uma série de fatores. Entre eles, está a calibragem errada dos pneus. Ao fazer uma curva, seu carro fica sujeito à força centrífuga, que o puxa para o centro. Em outras palavras, o veículo permanece na pista por causa da força de atrito causada no contato entre pneus e superfície.

Quando os pneus do carro estão gastos, com sulcos pouco profundos, o automóvel pode ser deslocado para outra direção, saindo da pista. Rodando com uma pressão abaixo da recomendada, os pneus podem perder a resistência mecânica lateral e até sair do encaixe das rodas — o que aumenta o risco de capotar.

Acima da pressão indicada, o pneu pode ficar tão duro que perde a resistência ao enfrentar desníveis e buracos. Isso eleva a quantidade de chances de danificá-lo, pois a pressão faz com que ele seja menos elástico e resistente aos baques ocasionados no dia a dia.

A calibragem dos pneus é uma tarefa tão simples que, muitas vezes, é ignorada pelo motorista. Contudo, agora você sabe que ela garante a segurança do veículo e de seus ocupantes, bem como permite um uso mais inteligente do combustível — algo positivo para o seu bolso e o meio ambiente.

Essa rotina deve ser estabelecida com o mesmo nível de importância que você dá para outras partes do carro, como bateria, suspensão e pastilhas de freio. Faça a calibragem dos pneus, no mínimo, quinzenalmente, evite prejuízos e ganhe uma dirigibilidade ainda melhor no seu automóvel.

Se você gostou dessas dicas e quer ter acesso a outras, aproveite para seguir nossas redes sociais: Facebook, YouTube, Twitter, Flickr e HPointTV.

Carro novo ou usado: compare e escolha o melhor para você

Quando chega o momento de escolher seu novo carro, sempre surge aquela dúvida sobre o que mais pode compensar: escolher um carro novo ou usado? É melhor contar com a segurança do carro fabricado recentemente e sem uso, ou economizar boa parte de seu dinheiro e investir em um carro usado, permitindo menos perdas pela desvalorização?

Esse dilema tem seu valor, já que pode haver vantagens nas duas opções, dependendo, obviamente, do que mais agrada ao comprador quando ele pensa no seu próximo veículo. Inclusive, leva-se em consideração a sua possível paixão pelos carros!

Continue acompanhando este post para descobrir algumas vantagens e desvantagens nas oportunidades entre carros usados e novos.

Inovação e tecnologia

Sempre que um fabricante lança um novo carro no mercado, principalmente no caso de uma nova geração de um modelo já existente, certamente novidades e tecnologias mais recentes são adotadas, ainda que, no caso de uma nova geração, note-se poucas alterações estéticas.

Isso ocorre porque os fabricantes das peças e acessórios empregados nos veículos também procuram evoluir seus produtos, tanto por questões de segurança, como por durabilidade e acompanhamento tecnológico.

É fácil notar isso, observando, por exemplo, o sistema de som dos carros atuais. Há cerca de 10 anos era bastante incomum encontrar um veículo com uma central multimídia instalada de fábrica: no máximo, um leitor de DVD e dispositivos de armazenamento (pendrives, cartões de memória etc). Atualmente, se integra ao acessório a tela com smartphones, projeta-se câmeras, utiliza-se até mesmo navegação com internet.

Esse é um ponto que pesa para a escolha de um carro novo: inovação. E não é somente na tecnologia aparente, mas sim em questões como segurança, onde a engenharia da construção do veículo é focada em absorver corretamente impactos, proteções internas eficientes, bons sistemas de freio e de auxílio eletrônico e mais uma infinidade de recursos que, muitas vezes, ficam despercebidos até que entre em ação.

O ar-condicionado inteligente de duas ou mais zonas, os faróis utilizando lâmpadas de LED e as chaves presenciais são alguns dos itens bastante populares hoje, e que são, de certa forma, recentes. Prato cheio para quem gosta de incrementar sua comodidade e segurança, e acaba, por isso, optando sempre por carros novos.

Preço e desvalorização do carro novo ou usado

Optar pelo carro novo é certamente muito bom. Mas e o custo disso? Muitas vezes o preço de uma novidade é um pouco mais alto do que o comprador deseja e, até mesmo, pode pagar. Com isso, acaba escolhendo financiar o veículo, arcando com juros e longo tempo pagando seu parcelamento.

Com o valor do seu carro mais alto, vêm também os tributos obrigatórios anuais. O IPVA, baseado no valor atual do veículo, provavelmente será mais alto do que no caso de um carro usado. O seguro veicular também utiliza como referência o valor de tabela do veículo, sendo que quanto melhor equipado, mais caro deverá ficar, uma vez que o valor das peças empregadas e acessórios de fábrica são considerados.

Um outro ponto importante, falando sobre o valor, é a desvalorização. Conforme a idade do veículo avança, o valor do mesmo é reajustado perante o mercado, normalmente para baixo. Pode-se, por exemplo, perder de 15% a 20% do valor do veículo em um único ano, dependendo da aceitação do carro e seu fabricante pelo público. Dessa forma, no momento da venda do veículo, 2 ou 3 anos após sua compra, haverá uma perda considerável do valor pago.

Obviamente, no carro usado também há desvalorização, porém acaba sendo menor, acentuada, em alguns casos, quando o fabricante lança a nova versão de um carro já em nosso mercado.  

Considerando o fator preço e desvalorização, cabe ao comprador analisar a compensação em comprar um veículo zero, recém-saído da fábrica e com todas as boas vantagens de um carro novo, ou optar por um usado, já desvalorizado e com menor valor para consideração de impostos e o seguro veicular.

Beleza, tendência e visual moderno

A estética é algo muito importante para muitos dos compradores e algo de bastante peso na compra de um novo carro. E esse pode ser, inclusive, o seu caso.

É inegável que existem alguns veículos que, mesmo projetados e construídos há 2 ou 3 gerações, permanecem belos, com linhas agradáveis. O Honda Civic de oitava geração, por exemplo, é um belo exemplo disso, tendo seu visual externo servindo de referência até hoje. Mas são raros esses casos, que não apresentam tão claramente o peso da idade.

Como o mercado de carros nacionais procura acompanhar os mercados europeu, asiático e americano, somos constantemente bombardeados com novas e lindas novidades. A internet ajuda bastante para que isso aconteça, visto que é muito mais fácil hoje em dia saber, mesmo antes de ser lançado, como será um novo modelo no Japão ou na Alemanha. Com isso, temos à disposição importados e nacionais sempre com caras novas, buscando agradar o público brasileiro.

Outro ponto é a mudança que ocorre dentro do mercado, com relação ao tipo de veiculo. Atualmente, o veículo do tipo SUV está bastante valorizado se colocando entre os mais vendidos, e sendo muito desejado mesmo pelo motorista que não depende exatamente de um veículo grande ou que encare mais facilmente trilhas ou estradas não pavimentadas. Optar por um desse tipo acaba sendo uma tendência.

Para quem valoriza o status social e gosta de estar sempre atualizado, adotar um carro que está em alta, que explore bem as linhas de sua carroceria, possua belas rodas, interior bem construído e elegante é sempre muito importante. Ou seja, beleza, tendência e visual moderno são fatores de muito peso na escolha.

Optando pelo melhor carro

Mas e agora, comprar usado ou novo? Bem, a decisão final dependerá, sobretudo, do estilo do comprador. Compradores extremamente racionais, que gostam de um bom carro, mas estudam seu valor e não gostam de comprar algo que não tenha muita necessidade, podem optar por um carro usado, visto que o mesmo possui preço mais estável no mercado, tendo sofrido boa desvalorização.

Porém, deve-se considerar o peso da idade com relação ao desgaste, manutenção normal e redução de peças sobressalentes no mercado. No caso dos usados, procurar por carros bem cuidados, e com bom histórico, pode ajudar bastante para uma boa compra.

Para quem realmente costuma ter sentimentos pelo seu carro, gosta e admira novidades e avanço tecnológico, além de estar ligado em tudo de novo que está sendo lançado mundo afora, é inegável que o carro novo é o mais indicado, já que, mesmo com o valor final mais alto, uma escolha bem-feita será satisfação e prazer garantido por um bom tempo, principalmente considerando que o comprador estará protegido por uma garantia de fábrica.

Gostaria de se aprofundar um pouco mais no assunto sobre a consideração entre carro novo ou usado? Que tal um guia completo para te ajudar a acertar em cheio na escolha do seu próximo carro? Baixe o e-book e confira!

Pensando em comprar um carro branco? Confira os cuidados essenciais

Está pensando em comprar um carro branco? Sem dúvidas, o carro na cor branca caiu no gosto da população e, atualmente, é possível ver diversos modelos pelas ruas nessa tonalidade.

No entanto, a maioria das pessoas não sabe quando essa moda começou. Na realidade, desde 2006, a cor branca vem ganhando força após modelos de luxo brancos serem apresentados nos salões de automóveis da Europa.

Assim, o branco deixou de ter o estigma de táxi para se tornar um verdadeiro símbolo de status. Isso porque a cor valoriza a estética do veículo e o deixa mais moderno. No entanto, essa tonalidade pode precisar de cuidados especiais com a pintura para manter o aspecto sempre novo. Saiba, no post, como cuidar da pintura do seu carro branco!

Use produtos especiais para limpar o carro de cor branca

Manter o carro limpo é uma das principais maneiras de garantir que a pintura se mantenha íntegra e brilhante. Existem produtos especiais para a cor branca que proporcionam uma ótima limpeza e ainda cuidam da tonalidade.

Um deles é o produto feito com cera de carnaúba, uma matéria-prima fina e biodegradável, usada em lavagens a seco. Produtos com esse fim especial para a cor branca ajudam a manter o brilho e a proteção por mais tempo, além de serem muito eficientes na limpeza, visto que não é preciso usar a água.

Isso é muito positivo para o proprietário, que economizará tempo, e também para o meio ambiente, pois uma lavagem tradicional pode gastar até 350 litros de água. Nesse caso, é importante verificar se o produto usado para a lavagem a seco não contém abrasivos, como substâncias à base de petróleo ou que contém querosene, para não riscar a pintura.

Além disso, evite utilizar itens que não são de uso exclusivo automotivo, como detergentes ou sabão em pó. Também não é aconselhável submeter o carro à lavagem automática, visto que as escovas arranham a pintura. Se tiver que optar por uma, escolha a opção que jogue água em alta pressão e shampoo automotivo, sem uso de escovas esfregando o automóvel.

Não use enceramento muito abrasivo

Encerar o carro pode parecer uma prática de quem se preocupa exageradamente com o carro. No entanto, encerá-lo é fundamental, assim como lavá-lo periodicamente. Isso porque a cera tem a função de proteger o verniz, a última camada da pintura, que é responsável por manter a tonalidade brilhante.

Desse modo, um automóvel com o verniz danificado terá uma pintura ressecada, opaca e sem brilho reflexivo. Essa prática também ajuda o proprietário a evitar as lavagens frequentes, visto que a cera atua como uma camada de proteção para o verniz, impedindo que as sujeiras das rodovias penetrem em seu interior.

Para que o efeito da cera seja positivo para o carro, o material precisa ser de boa qualidade e, principalmente, não ser muito abrasivo. Isso é importante para evitar arranhões e riscos na pintura, que ficam muito visíveis em automóveis da cor branca. Apesar de parecer uma tarefa complicada, encerar o carro branco pode ser simples. O primeiro a fazer é lavar o automóvel e, só então, passar a cera, após o modelo estar limpo e seco.

Se optar pela cera líquida, aplique-a em um pano 100% feito de algodão ou microfibra e espalhe. Já a cera em pasta deve ser aplicada com esponja própria para automóveis. A quantidade aplicada deve ser pequena, apenas para formar uma fina película. Espere secar de acordo com as instruções do fabricante e comece a polir a superfície com um pano de microfibra.

Para evitar a abrasão, também é importante ter esse cuidado apenas de 6 em 6 meses.

Tenha cuidado ao expor o carro ao ar livre

Cuidados ao deixar o carro exposto no sol

Exposição a altas temperaturas ou diretamente aos raios de sol desgastam a pintura de qualquer veículo, principalmente os de cor preta, visto que ela absorve os raios ultravioletas.

Antigamente, acreditava-se que essa exposição poderia tornar o carro de cor branca amarelado ou com aspecto encardido ao longo do tempo. No entanto, o verniz aplicado atualmente é muito mais potente e resistente, impedindo que isso aconteça.

A cor branca tende a refletir os raios, mas também não é recomendado deixar um automóvel dessa cor exposto ao sol, pois o brilho da tinta pode sumir e a pintura pode se tornar opaca ou quebradiça, o que não é agradável para a estética do veículo.

Assim, sempre que possível, deixe o carro em ambiente coberto, protegido do calor e dos raios solares. Nesse caso, é importante evitar a sombra das árvores, visto que elas liberam seiva, substância que gruda na pintura e pode estragá-la.

Além disso, é comum que os galhos tenham pássaros que podem defecar no carro. As fezes desses animais têm uma substância muito corrosiva, que danifica o verniz. Caso esse incidente aconteça, retire-as o quanto antes com água abundante.

Cuidados ao deixar o carro exposto na chuva

Também não é recomendado deixar que o carro tome banho de chuva para economizar na lavagem. Afinal, a chuva tem várias partículas em sua composição, incluindo a poluição, que podem manchar o carro após a água secar.

Se houver uma camada de cera protetora, as manchas não passarão dela. No entanto, se o proprietário não encera o carro ou se a exposição à chuva acontece com frequência, as manchas podem acometer a camada de verniz da pintura e causar danos irreparáveis.

Como o carro branco está em alta, o seu valor de revenda costuma ser muito bom. No entanto, é preciso que a pintura esteja bem cuidada, sem riscos ou arranhões. Assim, é importante que o proprietário cuide muito bem da lataria. Além disso, o automóvel precisa passar por outros cuidados e manutenções constantes para que a sua saúde esteja em dia.

Comprar um carro ou trocá-lo não é uma tarefa fácil. Desse modo, além de cuidar da pintura do seu carro branco para vendê-lo ou trocá-lo por outro automóvel, é preciso estar atento a outros detalhes. Para ajudá-lo, disponibilizamos um e-book gratuito: o guia completo para comprar ou trocar de carro. Clique no link e baixe agora mesmo!