Escolha o ideal: 5 tipos de alarme para carro

Segundo uma matéria de 2017, da Folha de São Paulo, o Brasil tem, em média, um roubo ou furto de veículo por minuto. Esse dado assustador faz com que os proprietários tenham uma grande preocupação, uma vez que é preciso investimento para ter o carro próprio e o público para a revenda de automóveis e peças no mercado negro é grande, sendo um dos principais fatores que aumenta a criminalidade.

Por esse motivo, instalar itens de segurança, como o alarme automotivo, se tornou essencial. Basicamente, os alarmes são um conjunto de sensores conectados a uma sirene, com o objetivo de detectar alterações no interior do carro. Assim, se houver movimentação, portas forçadas ou janelas quebradas, por exemplo, o sensor do alarme é sensibilizado, emitindo um aviso sonoro.

Existem alarmes universais, que podem ser instalados em qualquer modelo de automóvel, e aqueles específicos para determinadas marcas e modelos. Os alarmes mais completos ainda permitem funções adicionais, como o corta combustível. Ao parar o carro, o dono pode armar essa função e, caso o veículo seja roubado, após poucos metros é interrompida a transmissão de combustível para o motor.

Como existem vários tipos de alarmes para carro, separamos algumas opções neste post para que você se informe e escolha o melhor modelo para a proteção do seu veículo. Acompanhe!

1. Alarme perimétrico

O alarme do tipo perimétrico é o mais comum nos carros, sendo também um dos modelos mais simples. Isso porque ele emite um aviso sonoro quando há a tentativa ou abertura indevida das portas dianteiras ou traseiras.

No entanto, nem sempre esse tipo de alarme é sensibilizado quando o capô ou o porta-malas é aberto, o que pode significar um grande prejuízo, visto que o estepe do carro pode ser roubado, assim como outros itens de valor e peças do veículo. Além disso, em alguns modelos, é possível adentrar o interior do carro através do porta-malas e ter acesso aos itens do porta-luvas.

Sendo assim, esse tipo de alarme não é indicado para quem estaciona frequentemente o carro rua ou o deixa exposto em outras situações.

2. Alarme volumétrico

Esse tipo de alarme tem seu funcionamento baseado em dois componentes. Um deles, chamado de sensor ultrassônico ou “alto-falante”, é responsável por emitir ondas sonoras que cobrem toda a cabine do carro e monitoram as movimentações que acontecem em seu interior.

Quando o veículo está fechado e sem alterações, o perfil da onda sonora transmitido ao segundo componente (ou “microfone”) é o padrão, sendo reconhecido pelo sistema de alarme como um aviso de que tudo está em ordem. No entanto, se as janelas forem violadas ou as portas forçadas o perfil da onda se altera, transmitindo ao microfone a necessidade de disparar o alarme sonoro.

3. Bloqueador de freios e partes elétricas

Esse modelo de alarme consiste em um sistema que é conectado ao freio do veículo, ficando próximo ao motor. Quando se pisa no pedal o bloqueador é ativado, o que permite a passagem de fluido do freio em apenas um sentido, travando as rodas e impedindo o movimento do carro.

Apenas com um sinal elétrico esse bloqueio é cortado, liberando o fluxo do fluido de freio nos dois sentidos para que haja a possibilidade de movimento. Esse sistema pode ser instalado de diversas formas, como por meio de acionamento manual de um botão pequeno instalado no interior da cabine do veículo, em um local específico escolhido pelo proprietário.

Além disso, é possível acioná-lo também com um contato eletrônico automático na porta do veículo ou pelo afastamento do automóvel de um sistema de alarme de presença. Como última opção, o bloqueador pode ser ativado pelo sistema de telefonia de celulares.

Já o bloqueador de parte elétrica é um dos mais antigos e necessita da utilização de uma espécie de tetra chave para carros que desativa todos os circuitos elétricos. Desse modo, caso ocorra o roubo, o freio trava as rodas e o automóvel não sai do lugar.

4. Rastreador

O rastreador de carros é um aparelho pequeno, instalado dentro do veículo, para determinar com exatidão a posição do carro, independentemente se ele está em movimento ou parado. Isso só é possível porque os sinais são emitidos para uma central devido à comunicação com diversos satélites distribuídos ao redor da Terra.

A maior vantagem desse tipo de alarme é a rápida recuperação do carro após o roubo. Afinal, quando o veículo demora a ser encontrado ele pode ter sérios estragos ou até ser desmontado para a venda de peças. Além disso, o rastreamento tem um valor menor quando comparado ao de uma apólice de seguros, por exemplo.

5. Sensor de movimento adaptado

Atualmente é comum que os automóveis já saiam das fábricas com acelerômetros instalados. A função deles é prestar auxílio aos equipamentos de segurança, como o controle de estabilidade, em que é preciso captar movimentos como inclinação e aceleração do carro.

Assim, o acelerômetro pode ser integrado ao sistema de alarme e provocar o seu acionamento caso o automóvel seja movimentado. Essa função pode ser útil em roubos feitos com guincho ou reboque sem que haja violação das portas, janelas ou porta-malas.

Escolher um bom alarme não é uma tarefa fácil. Sendo assim, primeiramente, observe se o alarme é acionado em todas as situações, optando por aquele que monitore o capô, porta-malas, ignição, interior do veículo e todas as portas e janelas.

Também é importante estar atento a três fatores. O primeiro deles é a ativação do aviso sonoro, muito importante para assustar os ladrões e avisar o dono do carro que algo não está certo. Ele deve funcionar em todas as ocasiões e ter alto volume. Os dois outros aspectos incluem o fechamento automático dos vidros e o sensor de proximidade.

Por fim, considere se a empresa ou marca escolhida pode ser considerada como de total confiança. Para isso, peça indicações para amigos e familiares que estão satisfeitos com os alarmes dos seus veículos.

E então, entendeu quais são os tipos de alarmes para carro e como escolher o ideal para o seu? Apesar de o alarme ser uma ótima opção de segurança, algumas pessoas necessitam de maior proteção. Nesse caso, os carros blindados podem ser uma boa alternativa. Saiba mais sobre essa tecnologia e como escolher o seu neste post!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"