Financiamento de veículo: como escolher o melhor?

Com tantos modelos, marcas e diferentes preços, a compra de um veículo, seja novo ou usado, acaba se tornando uma decisão difícil para muitos. Além disso, outro ponto pode gerar dúvidas na hora de fazer essa compra: a forma de aquisição. Nesse contexto, o financiamento de veículo ainda é a forma mais comum para efetuar a compra.

Optar pela melhor modalidade de financiamento não é nenhum bicho de sete cabeças, mas requer um certo conhecimento a respeito do assunto. Por isso, nesse artigo vamos falar um pouco sobre as principais formas de financiamento de veículo, a fim de te ajudar a ter o conhecimento necessário para saber fazer a melhor escolha. Então, vamos lá? Acompanhe!

CDC (Crédito Direto ao Consumidor)

Essa certamente é uma das modalidades de financiamento mais praticadas atualmente quando o assunto é compra de veículos.

O CDC é uma espécie de empréstimo realizado com um banco ou instituição financeira, a qual assume o ônus de fazer o pagamento do bem — geralmente mediante uma entrada de no mínimo de 20% do valor total do financiamento — e, como contraprestação, o contratante (pessoa física ou jurídica) assume a obrigação de, mensalmente, deduzir o valor financiado por meio do pagamento de parcelas, previamente estabelecidas e acrescidas de juros e outras tarifas.

Juros no CDC

A taxa de juros do CDC não é uma taxa fixa, podendo sofrer variações a depender do valor financiado, do valor oferecido a título de entrada, da quantidade de parcelas —normalmente até 60 —, bem como das condições pessoais que o contratante oferece para saldar a dívida — como remuneração, estabilidade no emprego e outros fatores que tornam o empréstimo mais seguro para a financeira.

Além dos juros, no CDC também tem acrescido no valor das parcelas o IOF (Imposto sobre Operação Financeira).

CDC: imposições ao veículo

Esse é um ponto que merece destaque, pois, como veremos, existem algumas diferenças em relação as outras modalidades de financiamento.

Ao contratar um CDC, como dito, o banco ou financeira é quem, inicialmente, faz o pagamento do bem. Desse modo, embora o contratante saia com seu veículo na hora, algumas restrições são impostas a ele. Por exemplo:

  • Alienação fiduciária: no CDC o bem recebe um gravame junto ao órgão de trânsito que o impossibilita de ser transferido para outra pessoa, já que o carro funciona como garantia, em caso de inadimplência.
  • Retomada do bem pela financeira: em caso de inadimplência, é possível que o banco entre com a ação judicial cabível, após tentativa de acordo sem sucesso, para reaver o veículo a fim de saldar a dívida — razão pela qual o comprador é impossibilitado de transferir a propriedade do carro, enquanto esse se encontra como garantia do contrato.

Vantagens

Hoje, modalidade extremamente praticada, o CDC apresenta uma série de vantagens se comparado a outras modalidades de financiamento, dentre as quais podemos citar:

  1. O veículo é propriedade da pessoa que contrata o CDC;
  2. Possibilidade de abatimento dos juros em caso de pagamento antecipado das parcelas ou quitação;
  3. Possibilidade de renegociação futura;
  4. Em caso de inadimplência o bem vai a leilão e os valores excedentes ao da dívida são devolvidos.

Desvantagens

O CDC também apresenta algumas desvantagens, tais como:

  1. Juros mais altos;
  2. Impossibilidade de deduzir o valor pago no IR (Imposto de Renda);
  3. A obrigação de pagamento persiste ainda que o bem tenha se perdido, seja por furto, roubo ou perda total.

Leasing

Durante muito tempo essa foi uma modalidade de financiamento bastante utilizada pelas financeiras para a aquisição de veículos. Contudo, hoje é raridade, devido à popularidade do CDC.

O Leasing, também conhecido como “arrendamento mercantil”, funciona exatamente como o seu nome sugere: o banco ou financeira compra o veículo em seu próprio nome e, então, arrenda (“aluga”) para o contratante que, por sua vez, tem a obrigação de pagar as parcelas mensais referentes a esse aluguel.

Ao final do contrato, depois de quitadas as parcelas estipuladas, o contratante passa a ter, mediante o devido procedimento, a propriedade do veículo.

Encargos no Leasing

Assim como no CDC, os contratos de Leasing também sofrem a incidência de juros, porém, se comparados àquele, são mais atrativos, dada a segurança que a instituição financeira possui ao ser a proprietária do veículo.

Outra diferença importante nesse quesito é que no leasing não há cobrança de IOF.

Imposições sobre o veículo

Aqui, diferentemente do CDC, o bem sofre uma restrição muito maior, justamente pelo fato de que esse é tido como propriedade da financeira até a quitação do contrato. Em caso de inadimplência, a financeira pode promover a reintegração de posse do veículo e, caso esse seja vendido para saldar o débito, não há a devolução de nenhum valor ao contratante.

Além disso, é lançada uma restrição junto ao órgão de trânsito constando o arrendamento, o que impede a transferência do veículo.

Vantagens do Leasing

  1. Taxa de juros reduzidas;
  2. Não incidência do IOF;
  3. O tributo relativo a propriedade do veículo (IPVA), é de responsabilidade da financeira — o que não acontece na prática;
  4. Possibilidade de devolução do veículo;
  5. Dedução do valor pago no IR etc.

Desvantagens do Leasing

  1. A financeira é proprietária do bem, até a sua quitação;
  2. Impossibilidade de desconto em caso de pagamento antecipado das parcelas ou quitação — devendo ser ajuizada uma ação judicial para garantir esse direito;
  3. Mais burocrático;

Consórcio

Essa é uma modalidade bem incomum em termos de características e não deve ser tida como um financiamento, pois, diferentemente das anteriores, o custo do veículo, em regra, não é financiado por um banco ou financeira, mas pelos próprios consorciados.

Nessa modalidade de aquisição, um grupo de pessoas se une para a compra dos veículos que, conforme estipulado, serão sorteados até que todos os integrantes sejam contemplados.

Juros

Essa é, sem dúvida, a maior vantagem do consórcio. Nele não há a incidência de juros, mas apenas da chamada taxa de administração — valor pago a administradora do consórcio para que organize todo o sistema.

Vantagens

Além da não cobrança de juros, no consórcio as parcelas são menores e os prazos de pagamento podem ser ainda mais dilatados. Ele é a melhor opção para quem deseja programar com mais flexibilidade e segurança a aquisição do veículo, e também pode ser uma boa maneira de investir o dinheiro.

Desvantagens

A principal desvantagem do consórcio é que nem sempre encontrará um que atenda exatamente a sua necessidade de comprar um veículo específico e, além disso, não terá o bem de imediato, pois, como também depende da sorte, você pode demorar até o final do prazo para que seja contemplado.

Por fim, como vimos, escolher o melhor financiamento de veículo não é nada difícil, basta que você saiba analisar as características e vantagens de cada modalidade.

Agora, que você conhece que características e vantagens são essas, isso não será mais um problema, não é mesmo? Mas, não pare por aí! Fique informado sobre esse e outros assuntos. Assine a nossa newsletter e não perca nenhuma novidade!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"