Bater a porta do carro estraga o veículo? Entenda!

6 minutos para ler

Ao imaginarmos o processo de criação e, até mesmo, de montagem de um carro, visualizamos belos projetos no papel e linhas de produção com várias partes do automóvel, mas, provavelmente, ninguém pensa em alguns detalhes fundamentais, que acabam passando despercebidos também no nosso dia a dia como proprietários de um veículo: é o caso das portas, por exemplo.

Bater a porta do carro com força, e de forma recorrente, pode trazer problemas para o próprio automóvel e também para seus ocupantes, principalmente a longo prazo. Mas é claro que você não precisa se preocupar se alguma pessoa mais distraída (ou você mesmo) bater a porta com força eventualmente. Se não acontecer com frequência, estará tudo certo.

Afinal, as portas dos veículos são feitas para suportar essas pancadas e fechadas mais bruscas — e até mesmo para suportarem uma colisão. Elas passam por processos e avaliações bastante rigorosas, a fim de garantir a segurança do motorista e dos passageiros.

Mas é claro que alguns cuidados são sempre muito bem-vindos! Confira, agora, três dicas para preservar o seu carro em um bom estado, incluindo as portas e os seus componentes.

As caraterísticas das portas

Os batentes de borracha que existem nas portas garantem que os impactos de uma batida mais forte na hora de fechá-las sejam absorvidos. Mas isso não quer dizer que fechadas bruscas estão sempre liberadas: ao longo prazo, esses impactos fortes e constantes podem acabar danificando as estruturas, e um ruído mais alto e incômodo acabará se tornando comum.

Um grande risco de uma fechada de porta mais violenta está relacionado aos vidros. Se a janela estiver parcialmente ou totalmente aberta e receber uma pancada mais forte, a vibração que vai atingir o vidro pode fazer com que ele saia do trilho. Se isso acontecer, será necessário um reparo para que o item volte a funcionar normalmente.

Uma observação interessante sobre os vidros do carro é que eles merecem maior atenção, caso sejam blindados. Isso porque, nesse cenário, o carro estará fora das especificações de fábrica e não é raro que apenas uma pancada mais forte na porta ocasione trincas ou, até mesmo, quebre os vidros. O que não aconteceria tão facilmente em um veículo não blindado.

Os 3 cuidados que você deve ter ao bater a porta do carro

Você não quer ver o seu carro se desvalorizando ou sendo prejudicado com o passar do tempo, não é mesmo? Também não tem a intenção de ouvir aquele rangido de porta de castelo de terror” toda vez que abre ou fecha o veículo. Por isso, confira alguns cuidados para evitar esse tipo de problema!

Oriente as pessoas a fecharem a porta com tranquilidade

Não é preciso se tornar aquele motorista excessivamente zeloso (ou visto por muitos como um chato), que intervém antes mesmo de a pessoa fechar a porta. Como dissemos, usar um pouco mais de força, eventualmente, não vai trazer prejuízos ao automóvel. Mas se você perceber que uma pessoa, em específico, tem a mão mais pesada e sempre bate a porta, vale a pena orientá-la de que, ao longo prazo, esse hábito pode danificar o carro.

Lembre-se sempre de falar com gentileza e bom humor, pois, na grande maioria das vezes, as pessoas soltam ou batem as portas sem querer. A velha e clássica frase “não tem geladeira em casa, não?”, pode acabar transmitindo o recado de uma forma divertida, mas vale a pena observar quem é o seu interlocutor, para não ofender ou criar uma situação constrangedora.

Se você não aguenta quando alguém bate a porta do seu automóvel, inspire-se nos taxistas e motoristas de aplicativos e coloque um aviso de “por favor, não bata as portas” às vistas dos ocupantes.

Verifique se existem objetos que impeçam o fechamento da porta

Pode acontecer de você ou outra pessoa ficar tentando fechar a porta do carro, mas sem sucesso. Da primeira vez, é feito um movimento normal. Da segunda, algo um pouco mais forte. E sem perceber, devido à impaciência ou à pressa, estamos batendo e empurrando a porta a todo custo.

Logo na primeira tentativa, confira se há algo impedindo o fechamento normal da porta. Muitas vezes, o cinto de segurança, uma peça de roupa ou, até mesmo, uma sacolinha de supermercado está travando o processo e forçando os batentes de borracha.

Também vale a pena notar se, mesmo com a porta fechada, não ficou nada preso: é bastante comum que a porta se feche deixando um pedaço do cinto de segurança ou uma parte de vestido, por exemplo, para fora do carro. Além de perigoso para o motorista o ocupante “preso”, isso também pode danificar as borrachas.

Não deixe o porta-objetos das portas sempre muito cheios

O peso que é colocado nas portas pode influenciar no desempenho delas, também ao longo prazo. Para evitar pesos excessivos, tente manter apenas o essencial dentro dos porta-objetos das portas.

Essa atitude de precaução ajudará na conservação do seu carro — em caso de batidas mais ríspidas, além de evitar que os objetos deixados nesses compartimentos sejam arremessados e atinjam os ocupantes do veículo.

Quanto aos outros componentes que, geralmente, estão acoplados às portas, como os alto-falantes e as travas, você pode ficar despreocupado: todos eles foram produzidos para suportarem milhões e milhões de fechamentos, sem que sofram danos.

Como você pode ver, bater a porta do carro com mais agressividade não vai, em um curto período de tempo, trazer problemas para o seu veículo, pois ele foi feito para isso. Em todo caso, um pouco de cuidado é sempre bem-vindo visto que, dessa forma, tanto o veículo quanto todos os seus componentes serão bem conservados por um bom tempo.

Com o passar do tempo, se as portas do veículo estiverem apresentando aqueles famosos ruídos, é bom investir em arrumá-las antes de revender o carro, por exemplo, pois esse é um fator que vai desvalorizá-lo bastante. Por mais que tudo esteja perfeito, as portas barulhentas dão uma impressão de falta de cuidados — o que, nem sempre, é verdade.

Gostou deste conteúdo? Está mais tranquilo sobre alguém bater a porta do carro de vez em quando? Se as nossas informações foram úteis, assine agora mesmo a nossa newsletter e receba mais textos relevantes.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Share This