Motor 1.0, 1.5, 1.8, 2.0, 1.5 Turbo ou 2.0 Turbo: quais as diferenças e como escolher?

7 minutos para ler

Durante a compra de um carro, o desempenho, economia, comodidade e entre os vários fatores considerados são esses entre os mais importantes. Por isso, aproveitamos o momento para elaborar este tema, apresentando um comparativo entre motor 1.0, 1.5, 1.8, 2.0, 1.5 Turbo e 2.0 Turbo.

O nosso objetivo é explicar as principais diferenças entre esses conjuntos mecânicos, em termos de potência, elasticidade, aceleração e performance. Assim, você aprimora a sua tomada de decisão e fica mais preparado para a escolha do modelo ideal. Então, não perca tempo e acompanhe!

A importância de conhecer as características de cada motor

Existem muitas características em um veículo que são capazes de indicar a proposta desse modelo. No entanto, nenhum desses atributos é tão indicativo quanto o conjunto mecânico. Afinal, o motor é o coração do carro, estando diretamente ligado ao público que busca esse modelo.

Por isso, é importante conhecer as particularidades de cada motor. Para isso, selecionamos os conjuntos mecânicos em maior evidência no mercado, a exemplo do 1.0, que já é uma figurinha carimbada, sobretudo entre os modelos populares.

Além disso, apresentamos também os motores 1.5, 2.0, 1.5 Turbo e 2.0 Turbo, que equipam o line-up de veículos Honda. Assim, você poderá entender porque a reputada montadora japonesa escolheu esses conjuntos e cilindradas para representar a marca no mercado brasileiro.

No fim das contas, o nosso objetivo é que você saia desta leitura seguro para fazer uma boa escolha, entendendo quais os modelos você pode priorizar caso esteja em busca de economia, conforto ou esportividade.

As diferenças entre o motor 1.0, 1.5, 1.8, 2.0, 1.5 Turbo e 2.0 Turbo

Antes das comparações, vale destacar um detalhe que você perceberá a seguir. Listamos dois tipos de motores: os convencionais e os turbinados. Os motores tradicionais são conhecidos como aspirados, pois a admissão de ar é convencional e não conta com nenhum componente de sobrealimentação.

Em contrapartida, os turbinados recebem esse nome, pois equipam componentes de turboalimentação, que fazem com que o conjunto mecânico reaproveite os gases quentes da combustão, os pressurize e jogue novamente à câmara de combustão.

Como resultado, esses motores tendem a oferecer uma aceleração mais vigorosa, enquanto exigem menos do motor. Agora, como você já sabe dessa distinção, podemos seguir com tranquilidade.

Motores 1.0

Tecnicamente, um motor 1.0 recebe essa alcunha em referência à dimensão do cofre do motor. Para ser um veículo 1.0, o motor precisa apresentar aproximadamente 1.000 cm³ de dimensão volumétrica. Historicamente, esse sempre foi o conjunto mecânico utilizado nos veículos populares.

Afinal de contas, um motor tão pequeno, quando bem otimizado, é capaz de entregar excelentes médias de consumo — na realidade, as melhores —, quando consideramos apenas os veículos a combustão, excluindo os híbridos e os elétricos.

Um motor 1.0 aspirado costuma apresentar, quando muito, cerca de 85 cv de potência — a depender da montadora e do modelo. Basicamente, é comum que o arco de potência dos modelos 1.0 esteja entre 70 e 85 cv, enquanto o torque entre 8 e 10 kgf.m.

Isso significa que os 1.0 podem não ser tão ágeis, sobretudo em acelerações, retomadas e subidas. No entanto, compensam o pouco fôlego com o baixo peso, pois equipam veículos compactos com menos de 1.000 kg.

Motores 1.5

Atualmente, a Honda não disponibiliza nenhum modelo com motor 1.0 em seu line-up. Afinal, a marca tem o objetivo claro de entregar uma combinação equilibrada de conforto, desempenho e economia.

É para cobrir essa lacuna que existem os motores 1.5, com aproximadamente 1.500 cm³. Os 1.5 conseguem conciliar a economia dos motores compactos ao vigor dos conjuntos maiores, sendo uma seleção perfeita para veículos compactos, médios e urbanos.

Como exemplo, a Honda utiliza motores 1.5 aspirados nos seguintes modelos:

  • todas as versões do Fit equipam o 1.5 SOHC de 116 cv de potência e até 14,1 km/l de consumo na estrada;
  • todas as versões do WR-V equipam o 1.5 SOHC de 116 cv de potência e até 12,4 km/l de consumo na estrada;
  • todas as versões do City equipam o 1.5 SOHC de 116 cv de potência e até 14,5 km/l de consumo na estrada.

Motores 1.8

No entanto, a cavalaria dos 1.5 pode não ser suficiente para entregar a mesma experiência de conforto, aceleração e praticidade em modelos maiores. Por exemplo, enquanto o 1.5 aspirado é ideal para o SUV compacto WR-V, ele poderia não ser tão adequado para o “irmão maior”, o HR-V.

Como exemplo, a Honda utiliza motores 1.8 aspirados nos seguintes modelos:

  • as versões LX, EX e EXL do HR-V equipam o 1.8 SOHC de 140 cv de potência e até 12,3 km/l de consumo na estrada.

Motores 2.0

Já aqui, destacamos uma linha de motor com longa história no mercado brasileiro, sendo um conjunto emblemático e frequentemente equipado nos sedãs mais cobiçados do país. A Honda manteve a tradição, pois emprega esse conjunto em seu modelo mais icônico no mercado.

No line-up Honda, você pode encontrar o 2.0 aspirado nos seguintes modelos:

  • as versões LX, Sport, EX e EXL do Civic equipam o 2.0 SOHC de 150 cv de potência e até 13 km/l de consumo na estrada.

Motores 1.5 Turbo

No entanto, você já deve ter percebido como o mercado automotivo está dando uma guinada em torno da sustentabilidade. A partir daí começou a se popularizar o conceito do downsizing, que é turboalimentar motores menores para que eles entreguem o desempenho dos conjuntos maiores.

Praticamente, é a engenharia nos mostrando que é possível fazer mais com menos. Esse é o caso do 1.5 Turbo que, no line-up Honda, pode ser encontrado nos seguintes modelos:

  • a versão Touring do HR-V equipa o 1.5 Turbo DOHC de 173 cv de potência e até 12,6 km/l de consumo na estrada;
  • a versão Touring do Civic equipa o 1.5 Turbo DOHC de 173 cv de potência e até 14,4 km/l de consumo na estrada;
  • a versão Touring do CR-V equipa o 1.5 Turbo DOHC de 190 cv de potência e até 11,9 km/l de consumo na estrada;
  • o esportivo Civic Si equipa o 1.5 Turbo DOHC de 208 cv de potência e até 13,7 km/l de consumo na estrada.

Percebe a mágica dos motores turbo? É esse tipo de tecnologia que permite um coupé esportivo capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 7,5 segundos e também ser capaz de consumir apenas 13,7 km/l na estrada.

Motores 2.0 Turbo

Já aqui, vale destacar o topo de linha da família Honda Brasil. Atualmente, apenas um veículo desse conjunto mecânico, sendo o modelo que coroa o line-up da montadora no país:

  • a versão Touring do Accord equipa o 2.0 Turbo DOHC de 256 cv de potência e até 12,3 km/l de consumo na estrada.

Por fim, vale destacar a importância da escolha da concessionária adequada para a aquisição do seu modelo, independentemente do preço ou motorização. Afinal, os profissionais ajudam na escolha de um motor 1.0 ou outro adequado às suas necessidades, pois a compra de um carro é uma conquista valiosa no seu dia a dia. Por isso, recomendamos para você conhecer a rede HPoint e identificar tudo o que podemos oferecer para tornar a sua conquista mais prática, segura e intuitiva.

Gostou deste embate do motor 1.0 contra as demais alternativas? Lembrou de outro detalhe sobre o tema? Então, é só deixar o seu comentário abaixo deste post!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Share This