Placa padrão Mercosul: o que você deve saber sobre ela

6 minutos para ler

Você já deve ter notado nos carros circulando pelas ruas e estradas uma placa diferente, branca e azul, apenas com o nome do Brasil em vez do estado e uma mistura aleatória de letras e números. Trata-se da placa padrão Mercosul.

Esse novo sistema de identificação, na verdade, não é tão novo assim: a adoção dessas novas placas no país foi anunciada, pela primeira vez, em 2014, mas muitos adiamentos e, até mesmo, disputas judiciais atrasaram o processo.

Em janeiro de 2020, os entraves chegaram ao fim e chegou-se à data limite para que cada Departamento Estadual de Trânsito (Detran) começasse a adequação para a implementação placa padrão Mercosul.

Mas o assunto ainda gera muitas dúvidas nos motoristas e na população em geral. Por que houve a troca? Devo correr para substituir a minha placa cinza? Qual a grande diferença? Nós respondemos agora mesmo!

Quais são as características da placa padrão Mercosul?

Primeiramente, como dissemos, a nova cor chama atenção, já que as novas placas são brancas, com dígitos pretos (na maioria dos casos) e uma faixa azul na parte superior.

Em relação à cor dos dígitos, outras cores também estão disponíveis na placa padrão Mercosul, de acordo com a utilização principal do automóvel, como:

  • pretos, em carros particulares;
  • cinzas, em carros antigos de coleção;
  • vermelhos, em carros de aprendizagem ou comerciais;
  • amarelos, em carros consulares ou diplomáticos;
  • azuis, em veículos de órgãos oficiais;
  • verdes, em carros especiais, como os protótipos de testes.

Além disso, os dígitos, que antes eram uma sequência de três letras e quatro números, agora são os mesmo sete elementos, mas em uma outra ordem: três letras, um número, mais uma letra e dois outros algarismos, nessa ordem específica.

O antigo lacre é substituído pelo moderno QR Code, presente no canto esquerdo da placa. Por meio dele, é possível identificar o veículo e também rastreá-lo a partir de aplicativos específicos.

Também é possível perceber a marca d’água na parte branca (inclusive sobre os dígitos), o emblema Mercosul no canto superior esquerdo e a bandeira do Brasil, no canto superior direito.

Vale a pena ressaltar que, desde o seu primeiro projeto, a placa padrão Mercosul sofreu algumas alterações, para que ficasse mais simples — tanto no quesito visual quanto em relação ao seu custo. A retirada de alguns brasões e de algumas ondas que cortavam os dígitos (a fim de dificultar a falsificação) são alguns exemplos.

Placa padrão Mercosul para motos

As características da nova placa para as motocicletas permanecem as mesmas, tendo apenas a alteração de tamanho e a disposição dos dígitos — que ficam três em cima e quatro embaixo.

Quais são os benefícios da nova placa?

A placa padrão Mercosul foi criada e implantada com uma série de objetivos benéficos, tanto para o trânsito quanto para os próprios motoristas.

As combinações alfanuméricas, por exemplo, permitem muito mais possibilidades, que serão compartilhadas pelos países do Mercosul.

A capacidade de identificação e rastreamento pela tecnologia do QR Code facilita a identificação do veículo em todos os países do Mercosul, inibindo roubos e clonagens. Por meio dele, é possível saber imediatamente se a placa é original, falsa ou extraviada.

A marca d’água também exerce essa função de garantir mais segurança aos proprietários.

Qual é a obrigatoriedade?

Tenha calma, pois você não vai precisar sair correndo para trocar a placa do seu carro. De acordo com a resolução 780/2019 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), a implantação da placa padrão Mercosul é obrigatória nos seguintes casos:

  • primeiro emplacamento (ou seja, na compra de um veículo novo);
  • mudança de propriedade do veículo;
  • mudança de município ou estado;
  • mudança de categoria (como um carro de passeio que se tornou um táxi);
  • furto, extravio, dano ou roubo da placa.

Quem precisa trocar?

Diante das informações acima, fica esclarecido que apenas quem comprou um novo carro ou fez a transferência de dono, de cidade ou de categoria precisa adotar a nova placa.

Com o tempo, as placas cinzas serão substituídas, mas ainda continuam valendo dentro da lei em todo o território nacional.

Certamente, se você não se enquadrar em nenhum caso de obrigatoriedade, mas, mesmo assim, quiser adotar a placa padrão Mercosul em seu carro, pode fazer isso sem problemas.

Qual é o prazo para a substituição da placa do veículo?

Os estados que começaram o processo de implantação da nova placa há mais tempo (como Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro), já estão bastante acelerados, mas isso não significa que haja um prazo final.

O que foi estipulado é o prazo final para que a implantação começasse em todos os estados brasileiros, o que aconteceu em 31 de janeiro de 2020.

Onde comprar e quanto custa esse processo?

Apesar de a obrigatoriedade da placa ser a mesma em todo o território nacional, cada estado é responsável pela precificação da sua. O que é certo é que alguns itens tendem a baratear a nova placa, como a retirada do lacre.

No Rio de Janeiro, por exemplo, um dos primeiros estados a adotarem o sistema, o custo da placa para automóveis passou de R$ 219,35 (placa cinza) para R$ 193,84 (placa padrão Mercosul). O Detran de São Paulo, por sua vez, informou que o valor máximo da nova placa será de R$ 138,24.

Portanto, a nossa dica é se informar no Detran da sua cidade a respeito dos custos e processos de emplacamento no município.

A placa padrão Mercosul é um tema que deixou muitos motoristas — e, até mesmo, as autoridades — bastante confusas em relação às suas características e constantes mudanças, já que era preciso adequar-se ao padrão dos países do Mercosul e, ao mesmo tempo, garantir segurança e economia para os brasileiros.

Mas, felizmente, chegou-se a um consenso e as novas placas já estão sendo vistas com cada vez mais frequência. Por isso, fique atento: ao comprar um novo carro ou fazer uma transferência depois de 31 de janeiro de 2020, a placa padrão Mercosul é obrigatória.

Esperamos ter esclarecido as suas dúvidas sobre o assunto. Agora, confira outras regras sobre modificações e instalações de acessórios!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Share This