Potência de carro: o que levar em consideração na compra?

Quem está pensando em comprar um carro deve ter se deparado com diversas siglas e nomes desconhecidos usados pelos fabricantes para divulgar o desempenho de cada modelo. Assim, pode ser difícil saber como escolher o motor ideal e a sua potência.

Para esclarecer essas dúvidas é preciso entender os significados e os números que se relacionam com a potência de um motor, como as cilindradas, cavalos, torque, válvulas e litros. Neste post, você saberá mais sobre o assunto e poderá escolher qual a potência de carro necessária para você. Confira!

Cavalos

No Brasil, a potência de um motor é definida em cavalos. Esse termo surgiu devido ao trabalho dos equinos nas minas de carvão inglesas, no século XVIII. Isso porque, antes da criação de máquinas, os cavalos puxavam baldes e carroças com produtos por meio de um sistema de roldanas, cordas e rodas.

Dessa forma, é natural que a potência dos motores fosse comparada a força dos cavalos. Quem teve essa ideia foi o inventor escocês James Watt, que trabalhou no desenvolvimento de máquinas e calculou que um equino conseguia subir em média 100 quilos de carvão a uma certa altura por minuto. Para generalizar a medida, James aumentou a carga em 50% e definiu a unidade de “cavalo de potência” como a força para levantar 150 quilos por 30 metros em 1 minuto.

A grandeza se tornou popular e é chamada de Horse Power, ou Potência em Cavalos. Atualmente, 1 HP (horse power) significa que o motor de um carro é capaz de erguer 75 kg, a 1 metro de altura em 1 segundo. Dessa forma, quanto maior o número de cavalos, maior será a potência, ou seja, move-se mais peso em uma velocidade maior.

Os automóveis que possuem desempenho alto possuem, em média, 350 a 450 cavalos de potência. Os veículos comuns, de uso urbano, apresentam normalmente de 100 a 120 horse power. Portanto, uma maior potência permite a um veículo que ele alcance boas velocidades em menos tempo.

Torque

No Brasil, o Torque é medido por quilograma força vezes metro (kgf.m). Essa também é uma medida de força do motor. Isso porque, quanto maior o torque, melhor e mais rápido o automóvel responderá as acelerações de seu condutor.

Essa grandeza é medida usando-se um dinamômetro. Para isso, é colocada uma carga sobre o motor. Normalmente um freio impede que as rodas girem, e após, é medida a força de torção que o motor faz sobre a carga. O torque é medido em diferentes revoluções por minuto (RPM) ou velocidades. Depois disso, os dados encontrados são jogados em uma fórmula que calcula a potência do motor do veículo.

O torque é especialmente usado por ser fácil e simples de medir. Como mencionado, ele pode ser avaliado quando há trabalho, ou seja, quando a carga não é um freio e move-se um objeto. Quanto mais torque produzido, maior é o potencial do motor de gerar trabalho.

Assim, ele é importante na escolha de veículos de transporte que realizam trabalho pesado, como ônibus e caminhões, assim como de veículos leves, para o dia a dia. Isso porque, quanto maior um cilindro, mais torque ele gera, conseguindo deslocar mais peso em rotações baixas.

Porém, para ter um torque alto, é preciso que o veículo tenha cilindros grandes e, assim, uma menor quantidade de rotações por minuto.

Cilindradas

As cilindradas são medidas em centímetros cúbicos e se referem a capacidade dos cilindros de um motor de armazenar determinado volume de uma mistura de combustível e ar. Um carro que possui 4 cilindros com capacidade de receber 250 centímetros cúbicos terá 1000 cilindradas, por exemplo.

Os modelos novos estão sendo equipados com um menor número de cilindros com maior volume, o que permite um número de cilindradas semelhantes. Isso acontece com um carro que possui 3 cilindros com capacidade de 333 centímetros cúbicos e possui 999 cilindradas. Essa medida é feita porque assim é possível ter um torque maior.

Quanto mais cilindradas um veículo possui, maior é o gasto com combustível para manter o motor funcionando perfeitamente. Assim, baixas cilindradas, como a citada no exemplo acima, são indicadas para carros que trafegarão por vias urbanas. No entanto, automóveis com cilindradas altas (1.600 e 2.000, por exemplo) são indicados para quem dirigirá por vias que permitam velocidades maiores, visto que rodovias amplas e sem paradas proporcionam um melhor desempenho.

Litros

É muito comum compararmos os litros de um carro com a potência. Afinal, o conhecimento popular afirma que um carro 1.0 terá maior dificuldade para subir uma serra, por exemplo, enquanto um 1.6 será mais potente nessa tarefa.

Esses números são uma outra forma de dizer as cilindradas. Dessa forma, um carro 1.0 possui capacidade de 1 litro de mistura de ar e combustível em seus cilindros, o que corresponde a 1000 centímetros cúbicos de volume interno.

Válvulas

As válvulas de um automóvel são responsáveis por permitir a entrada de ar nos cilindros para a combustão e a posterior saída de gases. Assim, um motor com maior número de válvulas permite que um cilindro troque gases de forma mais rápida, além de propiciar uma maior admissão de ar.

Assim, em ciclos mais lentos (velocidades menores), o motor terá baixa rotação, o que pode atrapalhar a mistura de ar e combustível nos cilindros, visto que a proporção não será ideal. Desse modo, um veículo de 8 válvulas é indicado para essa situação, pois perderá torque em rotações mais altas.

No entanto, com um carro de 16 válvulas acontecerá o contrário, ou seja, terá melhor rendimento em rotações mais altas, perdendo torque apenas em rotações mais baixas. É por esse motivo que um automóvel de 8V é indicado para a cidade, visto que a rotação nesse ambiente é mais baixa e, assim, entrega-se melhor torque de um modo mais rápido.

Em contrapartida, o carro de 16V é ideal para rodovias e estradas, onde há um maior número de rotações por minuto. Assim, há maior potência para as ultrapassagens exigidas nesse cenário.

Esses e outros termos são essenciais para definir a potência de um carro e qual veículo será escolhido. Antes de escolher um novo modelo, pesquise bastante e faça comparações. Afinal, só assim é possível descobrir como é a real performance de um carro e outras características, como a manutenção e o seu consumo.

E então, restou alguma dúvida sobre potência de carro? Conte sua experiência para nós nos comentários abaixo!

7 filmes sobre carros que você precisa assistir

O brasileiro é completamente apaixonado pelo setor automobilístico. Ter um carro próprio ainda é um dos maiores sonhos de um grande número de pessoas. Obviamente, os filmes sobre carros sempre podem contar com a presença dos amantes do setor. 

É válido ressaltar que esse tipo de filme é capaz de fazer várias pessoas parar por um bom tempo em frente à TV, simplesmente por ouvir o ronco do motor. Além disso, o imaginário e a emoção também são aspectos que chamam a atenção dos aficionados por carros. 

Interessou-se pelo assunto? Então, que tal conhecer 7 filmes sobre carros que você precisa assistir? Confira! 

1. Ronin

O primeiro filme sobre carros que listamos é Ronin. O filme apresenta várias cenas de perseguição, com alguns carros icônicos, como BMW 535i, Peugeot 406, Citroën XM e Audi S8. É válido ressaltar que Ronin é uma palavra em japonês, utilizada para designar samurais que não seguem um mestre. 

As perseguições são os principais atrativos do filme, evidenciando grandes carros acelerando pelas ruas de Paris. Vale a pena conferir. 

2. 60 segundos

Todo fã do setor automobilístico já assistiu esse filme pelo menos uma vez. Pode-se dizer, inclusive, que “60 segundos” é um dos principais responsáveis pelo boom de carros antigos. 

O filme é uma remodelagem de um exemplar de 1974, buscando agradar um público que vai além dos apaixonados por carros. A história passa por Memphis (interpretado por Nicolas Cage), um ladrão de carros que enganou a polícia por anos, mas se aposentou ao ver o cerco fechar. Entretanto, seu irmão se meteu em apuros e Memphis se viu obrigado a voltar ao mercado para salvar a sua vida.

A trama é interessante e conta com alguns carros clássicos, como Aston Martin DB7, Bentley Azure, Cadillac El Dorado e o Shelby GT (que na verdade é um Mustang caracterizado como Shelby).

3. Velozes e Furiosos

Velozes e Furiosos é uma das franquias mais assistidas em todo o mundo. Hoje em dia é possível conferir a maioria dos filmes no Netflix. A trama começa quando o policial Brian O’Connor (Paul Walker) se infiltra em grupos de corridas ilegais e começa a investigá-las. 

O principal grupo a ser investigado tinha como líder Dominic Toretto (Vin Diesel), que acaba criando uma forte amizade com Brian, a ponto de vê-lo apaixonar por sua irmã, Mia Toretto (Jordana Brewster). Os filmes se passam em diferentes lugares do mundo, incluindo Japão e Rio de Janeiro.

Infelizmente, a franquia se tornou mais assistida depois da morte trágica do ator Paul Walker, marcando o 7º filme e criando um final tocante para esse episódio. Independentemente disso, vale a pena maratonar toda a franquia.

4. Rush

Rush é mais um dos filmes sobre carros que merece destaque. Lançado em 2013, a obra tem como o objetivo contar a história de Nikki Lauda e James Hunt (interpretados por Daniel Brühl e Cris Hemsworth, respectivamente).

Todo universo da Fórmula 1, inclusive os acidentes, são destacados ao longo do filme, além dos relacionamentos e do glamour que influenciou a vida dos pilotos, que travavam competições acirradíssimas enquanto eram profissionais.

5. Herbie

Herbie, o Fusca preferido das telonas, também merece estar presente em nossa lista. Afinal, nenhum outro filme escolheu o Fusca como protagonista. Herbie era um carro de corridas, com a numeração 53 e estilizado em cores para homenagear o lendário Tour de France. 

O destaque do filme é a personalidade forte do carro. O Fusca não aceitava levar desaforo para casa e, ainda, demonstrava ciúmes de seu dono (principalmente quando ele arrumava uma parceira), mas fazia de tudo para cuidar de quem cuidava dele.

É importante ressaltar que Herbie apareceu em seis filmes da Disney. Vale a pena dar uma chance para o Fusquinha mais carismático do planeta!

6. Grand Prix

Grand Prix é um dos filmes sobre carros voltado para o mundo do esporte: a Fórmula 1. A história se passa na relação entre quatro estrelas da temporada de 1966. Todos os personagens eram fictícios. 

Jean-Pierre Sarti era um piloto francês da Ferrari, bicampeão do mundo e em final de carreira. Scott Stoddard era britânico, que se recuperava de um grave acidente em Mônaco. Pete Aron, por sua vez, era um americano que estava perdendo rendimento, mas procurava maneiras de voltar à tona. E, Nino Barlini, um italiano que acabara de entrar no esporte, mas era campeão de corridas de motocicletas. 

O filme conta com grandes pilotos da época, como Graham Hill e Phill Hill, que gravaram cenas de dentro dos carros. Um fato interessante do filme é que James Garner (ator que interpretou Pete Aron) tomou gosto pela adrenalina do mundo dos carros, dispensando dublês para as cenas de ação. 

Anos depois, Garner decidiu disputar corridas pela América do Norte, como o Baja Rally (com um Oldsmobile 442) e as 24 horas de Daytona, entre 1969 e 1971.

7. Christine

Por fim, destacamos Christine, um filme que foi sucesso em sua época, de tão bem produzido. Todo mundo ficava surpreso ao ver o Plymouth alviescarlate, com suas barbatanas majestosas e sua característica cara de mau. 

A narrativa começa com Arnie Cunningham, um estudante que tinha apenas um amigo, o atleta Dennis Guilder. Ele descobre um Plymouth Fury, vermelho e branco (“Christine”) que precisava de grandes concertos. O veículo foi restaurado por Arnie, que se tornou extremamente arrogante. 

Porém, Dennis descobre que o carro contém um passado assombroso, desde que o antigo dono teve um fim terrível. Assim, Dennis conta com a ajuda da namorada de Arnie para conseguir livrá-lo do mesmo fim. Contudo, eles descobrem que a única maneira é destruir o carro, que começa a agir por conta própria. 

O veículo passa a se reconstruir e, ainda, sente ciúmes de Arnie, seu atual proprietário. Apesar de ser um filme dos anos 80, vale a pena vê-lo e acompanhar essa história fantástica. 

Filmes sobre carros sempre terão a capacidade de atrair a atenção de milhares de pessoas. Portanto, podemos afirmar que essa lista tende a aumentar a cada ano que passa. Então, não perca tempo e assista a esses filmes, antes do mais novo lançamento chegar aos cinemas. 

E aí, o que achou dos filmes que listamos? Que tal compartilhar esse artigo em suas redes sociais e mostrar para seus amigos sua paixão por carros? Não deixe para depois!

7 dúvidas esclarecidas sobre carros inteligentes

Pensar em um automóvel que trafegue pela cidade sem motorista parece ideia de filme, não é mesmo? Mas não é! Os carros inteligentes, como estão sendo chamados, já vêm se tornando realidade. 

O Google, por exemplo, tem um carro autônomo que está passando por vários testes nos Estados Unidos. O modelo em questão não apresenta volante, freio, embreagem e, muito menos, motorista. 

A Ford, por sua vez, tem o ano de 2021 como meta para o lançamento de um veículo completamente autônomo. Hoje, muitos modelos da montadora já contam com recursos semiautônomos, que são capazes de detectar e evitar erros na condução. 

Podemos dizer que a ideia de carros inteligentes não é nova. O assunto vinha sendo discutido há um bom tempo, mas é polêmico e ainda gera muitas dúvidas. 

Interessou-se pelo tema? Então, continue a leitura deste artigo e veja 7 dúvidas esclarecidas sobre carros inteligentes.

1. O que são os carros inteligentes?

Carros inteligentes são automóveis capazes de se locomover sem a necessidade de intervenção humana. Em outras palavras, tais veículos dirigem sozinhos pela cidade, utilizando um sistema de comunicação eficiente para tanto. 

A comunicação entre veículos (v2v) é responsável pela prevenção de colisões, por meio da transmissão de informações entre motoristas sobre a velocidade e a mobilidade de carros. Além disso, a comunicação entre veículos e a infraestrutura (v2i) é responsável por prevenir avanços de sinal, congestionamentos e freadas repentinas.

É válido ressaltar que um dos principais objetivos dos carros inteligentes é aumentar a interação entre os veículos e as cidades, propiciando a transmissão de dados sobre as condições de tráfego e mobilidade, por exemplo. 

2. Como eles funcionam?

O funcionamento dos carros inteligentes se dá por meio da comunicação v2i e, é claro, a partir da internet. Por intermédio dos centros de gestão de tráfego, é possível ocorrer a transmissão dos dados das luzes dos semáforos para um determinado sistema, que os envia para os veículos em tempo real. 

Em contrapartida, os automóveis enviam informações sobre as condições do trânsito para a central, permitindo uma manipulação eficaz do tráfego naquele local. Essa transmissão é extremamente importante, sendo considerada a única maneira de gerir o trânsito sem a necessidade de intervenção humana. 

Propiciar a comunicação entre veículos também é imprescindível. Os carros poderão enviar alertas de problemas que estão fora do alcance dos sensores de um automóvel e, portanto, escapam da atuação dos sistemas. 

Saber a velocidade, a trajetória e a aceleração dos veículos, por exemplo, é fundamental para o controle total do trânsito. Já pensou nisso?

3. Como é realizado o controle de velocidade?

O controle de velocidade varia de acordo com o modelo. Entretanto, o processo é simples: o veículo adapta-se à velocidade do automóvel da frente, controlando sua aceleração e garantindo a distância de segurança

Os modelos mais modernos são capazes de frear os carros e somente permitir que eles voltem a se movimentar de acordo com o trânsito ao redor. Tal recurso previne acidentes e evita colisões. 

4. Os veículos conseguem detectar um pedestre?

Sim. Essa foi uma das primeiras preocupações que os desenvolvedores de carros inteligentes tiveram. Tais veículos são dotados de um sistema de alerta de colisão, com assistência de frenagem. 

Por meio de radares e câmeras, há o envio de um alerta sonoro e visual quando há uma possibilidade de colisão, seja com o veículo da frente, seja com uma pessoa. Ao receber a informação, os freios são pré-carregados, ficando prontos para serem acionados e conseguirem parar o veículo. Se o motorista não pisar no freio, o carro consegue realizar a frenagem.

O sistema de alerta de colisão é utilizado apenas para informar o motorista sobre a possibilidade de uma batida. Entretanto, alguns veículos contam com um sistema de travamento de colisão frontal, que serve para pará-lo completamente sempre que for identificado um objeto à frente.

5. Existe um piloto automático?

Sim. É possível contar com um sistema de piloto automático com a função “stop and go”. Esse recurso já está disponível em alguns modelos atuais, sendo responsável por trazer maior segurança e conforto aos motoristas, principalmente por conta do intenso trânsito das grandes cidades. 

Pode-se dizer que tal sistema é considerado uma evolução do piloto automático. Ele consegue manter a velocidade do automóvel e garantir uma distância segura em relação ao carro da frente. Além disso, se o veículo da frente parar, ele é capaz de frear completamente, voltando a acelerar quando o fluxo for retomado. 

6. E se eu dormir ao volante?

Seja em longas viagens, seja após um dia cansativo de trabalho, muitos motoristas sentem-se extremamente cansados ao volante, cochilando por alguns instantes. Quem já passou por esse tipo de situação sabe o quão perigoso é. 

Contudo, os carros inteligentes têm um sistema de alerta de fadiga, responsável por assumir o controle do automóvel quando há a presença de alguns sinais. O veículo monitora o comportamento do motorista, identificando momentos de distração ou um possível cochilo. 

As câmeras são responsáveis por avaliar o nível de atenção dos condutores e a movimentação dentro da faixa de rodagem. Se o veículo sair com frequência, o sistema interpretará que o motorista está fadigado ou com sono. Será emitido um aviso com a recomendação de uma parada para descanso. 

7. O que mais os carros inteligentes são capazes de fazer?

Existem, ainda, outras funções que os carros inteligentes conseguem realizar. O controle eletrônico de estabilidade, por exemplo, é responsável por recuperar o controle quando o motorista desvia rapidamente de um obstáculo, há aquaplanagem ou o veículo perde a tração. 

Já o sistema de permanência em faixa visa informar ao condutor, por meio de uma vibração no volante, quando há uma mudança na faixa de rodagem sem o acionamento da seta. Se não houver resposta, o sistema terá autonomia para corrigir a trajetória e manter o veículo na faixa. 

Há, também, o recurso de estacionamento automático, que identifica se o veículo cabe na vaga e realiza a manobra, exigindo que o motorista controle apenas os pedais. Já existem modelos 100% autônomos, que fazem toda a manobra. 

Como vimos, existem várias funções que fazem dos carros inteligentes os modelos mais completos. Independentemente dos recursos disponíveis, esse tipo de veículo estará presente nas ruas de todo o mundo em um futuro próximo, simplificando o nosso dia a dia. 

O que achou das dúvidas sobre carros inteligentes que destacamos? Quer ter acesso a outros conteúdos como este? Então, siga-nos no Flickr, no Twitter e no Facebook, inscreva-se em nosso canal no YouTube e fique de olho em nossa TV para não perder nenhuma de nossas atualizações!

O que observar quando for trocar de carro?

Caso esteja pensando em trocar de carro, é preciso, inicialmente, avaliar alguns pontos. Automóveis com quilometragem alta e consertos recorrentes, por exemplo, indicam que é necessário comprar outro modelo em breve. Além disso, o fim da garantia, o aumento de integrantes da família e a crescente queda de preço no mercado também representam uma boa motivação.

No entanto, para alguns, trocar de carro é apenas uma vontade ou pode significar a realização de um sonho. Independentemente do motivo, é essencial estar atento a algumas orientações para que o procedimento seja feito com sucesso. Quer saber quais são elas? Acompanhe este post!

Defina o modelo de carro que deseja

O primeiro passo é definir qual modelo atende a você e a sua família. Isso porque uma pessoa solteira pode andar confortavelmente em um carro conversível, por exemplo, mas esse veículo não é indicado para quem tem filhos e precisa de espaço para guardar bolsas e carrinhos de bebê.

Além disso, quem adora aventuras pode optar por carros esportivos ou com tração 4×4, enquanto para uma família grande, o interessante é contar com um porta-malas espaçoso. Portanto, pense nas necessidades que o automóvel deve cobrir e, após fazer uma pequena lista de características, procure um modelo compatível.

Pesquise bastante

Com a ajuda da internet é possível buscar milhares de opções sem ter o trabalho de sair de casa. Assim, com os modelos mais interessantes para o seu perfil em mãos, você pode fazer uma pesquisa de mercado e descobrir quanto, em média, o automóvel desejado custa.

A dica é entrar em contato com concessionárias confiáveis, procurando as melhores condições. Também vale pechinchar, pedir descontos e demais agrados para finalizar a compra do carro.

Considere não adquirir um modelo zero

Na hora de trocar de carro, considere adquirir um modelo seminovo ou usado em vez de um zero. Isso porque, assim que sai da concessionária, um automóvel já sofre desvalorização. Desse modo, é possível encontrar modelos ofertados com pouquíssimos quilômetros rodados, ou seja, praticamente novos, por um preço abaixo da tabela.

Nesse caso, para fechar um bom negócio, procure saber a procedência do veículo e os cuidados do atual proprietário. Também é importante consultar a situação legal e verificar a existência de multas e demais pendências no site do Departamento de trânsito (Detran). Por fim, um mecânico de confiança deve examinar o carro para atestar a qualidade do veículo.

A dica é nunca comprar um carro sem examiná-lo ou acreditar cegamente nas características informadas por uma pessoa, mesmo que ela seja um vendedor. Acredite, algumas pessoas são enganadas dessa forma. Para fugir dessa situação, é muito importante escolher uma concessionária de confiança e não dispensar a avaliação do automóvel.

Tenha um planejamento financeiro

Após definir quais são as opções que combinam com o seu perfil e com as suas prioridades, calcule se o valor do carro cabe no orçamento. Afinal, essa quantia vai muito além do informado no anúncio, uma vez que existem taxas e gastos com manutenção.

Portanto, é preciso criar um planejamento financeiro com antecedência de, no mínimo, seis meses. Isso porque, mesmo que o valor do automóvel vendido seja abatido no preço do adquirido, provavelmente haverá uma quantia para quitar.

Essa dívida deve caber nas contas de casa sem comprometer o orçamento, de modo a não lhe deixar em dificuldades. Para tanto, faça os cálculos da sua receita familiar, sem esquecer nenhuma renda ou abatimento e, então, acrescente a parcela do carro.

Escolha a forma de pagamento

Existem algumas alternativas de pagamento para fechar a troca de veículos. Uma delas é dar o dinheiro do carro vendido de entrada e pagar as parcelas restantes por meio de um financiamento. No entanto, essa modalidade possui muitas taxas, juros e impostos.

Sendo assim, a opção mais interessante é vender o veículo usado e, com o dinheiro em mãos, completar a quantia e pagar o novo carro à vista. Como essa não é uma realidade para muitas pessoas, o consórcio de veículos representa uma ótima alternativa. Afinal, além de pagar juros menores, quem opta por essa modalidade terá a carta de crédito em mãos e poderá negociar melhor o preço do veículo desejado.

Faça uma cotação do seguro antes de confirmar a troca

O seguro é imprescindível para qualquer automóvel. Desse modo, é crucial avaliar qual será o valor pago nele e se o gasto realmente cabe no seu orçamento. Cabe ressaltar que, além do perfil e do número de motoristas, o custo de manutenção de um carro também impacta no valor final da apólice.

Mesmo que o novo carro tenha características semelhantes ao antigo, o preço do seguro pode encarecer devido a algumas variáveis, como a marca.

Informe-se sobre a manutenção

Como dissemos, os custos de manutenção podem alterar o valor de uma apólice de seguros e deixá-la onerosa. Mais do que isso, os próprios reparos desvalorizam o seu automóvel.

Isso porque os veículos que apresentam problemas constantes e necessitam de manutenções frequentes significam prejuízo. Peças importadas também podem ser um negócio ruim, visto que elas têm alto custo e demandam pessoal especializado para realizar o reparo.

Para consultar esses dados, basta pesquisar o modelo do carro e de sua montadora na internet. Nessa busca, você encontrará diversas descrições de automóveis, suas características, além dos prós e dos contras de cada um. Se restar alguma dúvida, é possível conversar em fóruns online com proprietários de veículos semelhantes ou procurá-los pessoalmente.

É importante ter em mente que, no futuro, o carro comprado também será trocado. Portanto, escolha um modelo com boa aceitação no mercado e que seja de fácil revenda. Afinal, nesse momento, até a cor do automóvel pode influenciar negativamente.

A decisão de trocar o veículo deve ser muito bem planejada, visto que algum erro pode gerar prejuízos futuros. No entanto, seguindo as dicas deste post, você fará um bom negócio, sem comprometer o orçamento da família.

E então, entendeu como é importante estar bem informado para trocar de carro? Entre em contato conosco. Teremos um enorme prazer em auxiliá-lo no processo!

Conheça as 5 melhores dicas de mecânica para mulheres

A ida à oficina mecânica é o pior pesadelo de muitas mulheres. Resolver problemas que surgem no carro não é nada fácil quando você não tem afinidade com o assunto e não conhece boas dicas de mecânica. Claro que isso vale também para homens que não se interessam por carros, mas, em geral, nossa cultura estimula muito pouco a relação da mulher com os veículos.

Infelizmente, algumas oficinas mal intencionadas se aproveitam dessa falta de intimidade para tirar proveito da situação. Por isso, o primeiro passo para se proteger e resolver seus problemas mecânicos é procurar um profissional de confiança. É importante também conhecer o seu carro e saber o jeito correto de cuidar e preservar algumas peças dele. Não sabe como fazer isso? Veja nossas cinco dicas!

1. Fique atenta a barulhos no freio

Você precisa saber que, na maioria dos casos, não é para existir barulhos em frenagens. Isso porque a pastilha de freio é uma composição de materiais que se gruda ao disco de freio. A única coisa que resulta dessa ação é o calor provocado pelo atrito entre os dois componentes.

Então, se você está dirigindo e escutou um barulho ao pisar no freio, fique atenta. Ele está indicando algum problema. Se for um assobio, pode ser característica da pastilha, pois, dependendo do material empregado em sua fabricação, ela produz tal ruído. Mas, quando o ruído é constante e incomoda, é possível lixar o componente e sanar o barulho.

Caso o barulho no freio seja metálico, o problema é mais sério. Isso indica que a pastilha se desgastou e ficou apenas a base metálica. Ao frear, os dois metais se tocam, produzindo um ruído desconfortável de “ferro com ferro”.

Essa situação é perigosa, pois os dois metais não têm aderência entre si e, com isso, o freio perde eficiência. Assim, se escutar esse tipo de som, corra para uma oficina para efetuar o reparo do freio. O ideal é que a manutenção preventiva seja realizada antes desse barulho, pois, a essa altura, o disco de freio também precisará ser trocado.

2. Evite o superaquecimento do motor

Uma das coisas que as mulheres precisam fazer é ler o manual do veículo. Nele você vai encontrar diversas dicas de mecânica, além de outras informações importantes, como o significado das luzes no painel. O superaquecimento do motor, um problema bastante sério, é identificado por meio dessas luzes.

O indicador avisa quando o motor do carro ultrapassa a temperatura ideal de trabalho, que geralmente é acima de 90 graus. Por isso, fique atenta. Se o ponteiro começar a subir e a luz da temperatura acender, pare o carro imediatamente em um local seguro, de preferência em um posto de combustível.

O superaquecimento acontece por falha no sistema de resfriamento. Então, verifique se existe líquido no reservatório do radiador. Se você o completou há pouco tempo e mesmo assim ocorreu o aquecimento, é sinal de vazamento. Já quando o líquido está na marca correta, o problema pode ser na válvula termostática.

Em todo caso, é preciso procurar o mecânico. Continuar rodando com o carro superaquecido é muito perigoso, pois as elevadas temperaturas podem prejudicar diversos componentes e a conta do conserto vai sair bem mais cara.

3. Não descanse o pé na embreagem

Esse é um vício que muitos homens e mulheres têm ao volante. A mudança desse hábito pode preservar a embreagem do seu carro. Muitas pessoas deixam o carro engatado no sinal, esperando ele abrir para arrancar, por exemplo. Essa atitude desgasta prematuramente o componente e a troca terá de ser feita antes do esperado. Por isso, evite.

4. Cuidado com os fluidos do carro

O veículo tem diversos fluidos fundamentais para seu funcionamento. Eles devem ser verificados frequentemente. Um dos mais importantes é o óleo de motor. Sempre cheque o nível e a viscosidade dele pela vareta. Se a marcação do nível estiver no meio ou abaixo, isso pode indicar vazamento.

Leve o carro à oficina mecânica para investigar. Além disso, é importante realizar a troca do óleo do motor sempre no tempo estipulado, pois rodar com o líquido velho prejudica o funcionamento do veículo.

Outro líquido que merece atenção é o de arrefecimento (ou líquido do radiador). Deixe sempre próximo ao nível máximo. Caso seja necessário completar com frequência, pode existir um vazamento. E, se você não conseguir enxergar o nível por conta da sujeira, está na hora de realizar uma limpeza no sistema.

Por último, verifique o fluido de freio. Esse reservatório também tem marcação para mínimo e máximo. Caso esteja muito abaixo do mínimo, vá a uma oficina, pois completar o nível com óleo diferente pode ser prejudicial ao sistema.

5. Cuide dos pneus e da bateria

Outro cuidado básico muito importante é com o pneu do seu carro. Calibre frequentemente (a cada 15 dias) e na pressão indicada no manual do veículo. Circular com o pneu murcho pode danificá-lo, além de consumir mais combustível. Também é importante realizar alinhamento e balanceamento das rodas e o rodízio dos pneus a cada 10 mil quilômetros.

Com relação à bateria, tome alguns cuidados para que ela dure mais tempo. O principal deles é minimizar o esforço na partida do veículo. Para isso, quando for ligar o motor, desligue os faróis, o ar condicionado, o som e qualquer outro equipamento que necessite de energia. O motor de arranque exige bastante da bateria, então, ter outros equipamentos ligados na hora da partida vai sobrecarregar o componente e diminuir sua vida útil.

É sempre bom ter à mão o telefone de uma assistência 24h, para casos de problemas com bateria, quando o carro tem dificuldades para ligar ou simplesmente não liga. A assistência envia um funcionário para dar uma carga na sua bateria e possibilitar que você dirija até um local apropriado para substituí-la.

Viu como aprender dicas de mecânica é importante para conhecer mais o seu carro? Assim, você não fica com medo de sofrer um golpe na próxima vez que ele apresentar algum defeito. Atualmente, a indústria automotiva oferece cursos de manutenção voltados ao público feminino. Vale a pena estudar e entender mais sobre o assunto!

Suas amigas também têm dificuldade para conhecer e resolver os problemas dos próprios carros? Compartilhe este post sobre dicas de mecânica com elas nas suas redes sociais!

Os mais vendidos! Descubra 7 opções de carro para jovens

Um dos marcos mais importantes na vida de uma pessoa é o aniversário de 18 anos. Após essa data, o jovem precisa ter mais responsabilidade e começar a dar os primeiros passos rumo à independência financeira e pessoal. 

O principal presente de aniversário de 18 anos é a compra de um carro. Muitas famílias se planejam durante anos, fazem consórcios e viabilizam meios para presentear seus filhos com o primeiro automóvel. 

Devemos lembrar que o carro, seja novo, seja seminovo, acompanhará o jovem até os 25 ou 30 anos. A escolha do modelo é um processo importante, uma vez que os jovens priorizam o design e alguns acessórios. Em contrapartida, os pais costumam olhar itens como segurança, consumo, dirigibilidade, entre outros. 

É preciso encontrar uma opção que agrade o jovem, mas que também seja bem vista no mercado. Neste texto, listamos os mais vendidos. Então, não perca tempo e descubra 7 opções de carro para jovens! 

1. Novo Uno

O Novo Uno é o carro mais vendido no Brasil para pessoas de 18 anos de idade. O carro é amplamente conhecido por sua simplicidade e baixo preço (cerca de R$26.110,00), se tornando um dos melhores modelos para o primeiro carro. 

O Novo Uno possui um grande atrativo quando comparado ao Fiat Uno. O seu design é moderno e caiu no gosto dos jovens. O modelo é tão escolhido por esse público que a montadora lançou, em 2013, uma série especial: Fiat Uno College, voltado especificamente para essa faixa etária. 

2. Volkswagen Gol

O Volkswagen Gol foi, por anos, o carro mais vendido do Brasil, considerando todas as faixas etárias. Os principais motivos que levam as pessoas a comprá-lo são sua confiabilidade e robustez. 

O modelo sempre foi procurado pelo público jovem por conter design moderno. Atualmente, o veículo conta com acessórios interessantes e primordiais em um carro para jovens.

É possível incluir, por exemplo, um sistema multimídia com tela sensível ao toque, integração com aplicativos, navegação por GPS e espelhamento da tela do celular. O seu preço médio gira em torno de R$32.490,00

3. Ford Ka

O Ford Ka sempre foi um carro econômico e de preço acessível, mas com design que deixava a desejar. O carro possuía atributos interessantes para ser o primeiro carro de um jovem, porém era considerado feio e antiquado.

A nova geração vem mudando esse conceito. A montadora mudou, completamente, o design e busca o foco na interatividade com os smartphones. O veículo permite o acionamento de recursos por comando de voz para a realização de chamadas telefônicas e regular o volume do som.

A montadora criou o MyFord Dock: um compartimento voltado para encaixar qualquer tipo de smartphone e facilitar a visualização da tela, provendo acesso ao GPS e outros aplicativos. Atualmente, é possível comprar o veículo por volta de R$35.390,00.

4. Chevrolet Onix

O atual líder de vendas do mercado brasileiro é o Chevrolet Onix. O veículo também é o carro mais vendido para jovens, se tornando um modelo presente nos estacionamentos de universidades e nos barzinhos. 

Assim como outras marcas, a Chevrolet apostou no design moderno, no baixo custo de manutenção e na conectividade. O Onix possui uma central multimídia e permite o uso do sistema MyLink (facilita a conexão com o smartphone via Bluetooth e o acesso à internet e aplicativos). Para adquirir o carro é preciso investir aproximadamente R$36.200,00.

5. Hyundai HB20

Um dos modelos que caiu nas graças do público jovem rapidamente foi o Hyundai HB20. Hoje ele é figura carimbada nas universidades e nos demais locais frequentados por jovens. 

O design moderno aliado à qualidade da montadora foram fatores fundamentais para a paixão à primeira vista. Não podemos deixar de mencionar que os itens de acabamento e o preço (cerca de R$35.760,00) também são fatores importantíssimos. 

O HB20 merece destaque em alguns pontos importantes: o carro conta com ar condicionado automático, possibilitando o controle da temperatura ao toque de um botão (o veículo possui um termômetro capaz de medir a temperatura externa).

A central multimídia permite o acesso ao Waze e outros aplicativos, pelo touchscreen, além da conectividade compatível com iOS e Android.

6. Renault SANDERO

O Renault SANDERO também está presente na lista das opções de carro para jovens. O seu principal diferencial é o espaço interno: grande o suficiente para levar toda a turma para a faculdade, shows e viagens. 

O veículo possui uma versão Turbo, tornando-o um dos mais potentes do país e atraindo, ainda mais, o público jovem. Obviamente, os recursos tecnológicos também estão presentes, como o sistema multimídia com tela colorida no painel. O veículo custa a partir de R$30.290,00.

7. Honda Fit

O Honda Fit é mais um sucesso de vendas quando o assunto é carro para jovens. O modelo da Honda conta com robustez, versatilidade e economia como principais diferenciais. 

Hoje, o Fit é um dos mais vendidos entre os jovens, principalmente aqueles que desejam o conforto e a qualidade de um câmbio automático. Outro diferencial do Fit é que ele possui o status que a marca empresta ao produto, herdado do Civic e dos demais modelos comercializados pela Honda. 

público feminino é bastante atraído por esse modelo, devido à sua dirigibilidade, o baixo consumo, o tamanho compacto e outros acessórios. O investimento para adquirir esse automóvel é de R$49.900,00.

Independentemente do montante a ser investido e do modelo a ser escolhido, é preciso entender a cabeça dos jovens. Muitos deles não vivem sem o celular, então é imprescindível a presença de um kit multimídia que provê conectividade e a interação do automóvel com o aparelho. 

Outro ponto de destaque que um carro para jovens precisa estar atento é o design. Sendo assim, procure conversar com seu filho e saber seus principais gostos. Essa é a única maneira de escolher um modelo que possua as características que você considera importante e os atributos que o farão se emocionar ao receber as chaves. 

E aí, gostou do nosso artigo? Possui alguma dúvida sobre o assunto? Quer comprar um carro para seu filho? Então, entre em contato conosco que teremos prazer em te atender. Estamos te esperando!

Carros híbridos no Brasil: saiba tudo sobre essa novidade!

Nos últimos salões do automóvel de Detroit, Tóquio e Frankfurt o futuro foi a principal tendência. As maiores montadoras do mundo deixaram claro que o futuro já chegou e os carros híbridos vieram para ficar. 

Esse tipo de veículo já é realidade nos Estados Unidos, Japão e na Europa. Mas e o Brasil? Também vamos ficar para trás na revolução da indústria automobilística? Pode-se dizer que há certa má vontade das autoridades e fabricantes para que os carros híbridos se tornem realidade por aqui. 

Entretanto, os números de 2017 são animadores. O resultado foi o melhor desde 2012, em termos de vendas de carros. O crescimento de vendas dos veículos híbridos aumentou três vezes, quando comparamos com 2016. 

Está interessado pelo assunto? Então continue a leitura deste artigo e conheça mais sobre os carros híbridos no Brasil!

O que é um carro híbrido?

Um carro híbrido é aquele que trabalha com dois motores: um a combustão e outro que utiliza a eletricidade fornecida pela bateria. Há uma central que realiza a combinação entre os dois motores, decidindo quando se deve acionar cada um deles (ou os dois ao mesmo tempo). 

Para uso dentro dos grandes centros urbanos, o motor elétrico é mais utilizado, enquanto em viagens pelas estradas o motor a combustão fornece maior potência, sendo mais vantajoso.   

Como é o funcionamento dos carros híbridos?

Os modelos de carros híbridos atuais funcionam à gasolina e eletricidade, embora já existam projetos para a criação de carros híbridos diesel-elétrico. Um veículo híbrido possui todos os componentes de um carro elétrico e um adicional: um motor a gasolina, que fica separado dos motores elétricos. 

Esse motor é projetado para funcionar em determinadas velocidades, buscando sempre a eficiência máxima. Atualmente, existem três tipos de carros híbridos: paralelos, série e misto. 

Híbridos-Paralelo

Há alguns tipos de carros híbridos que possuem sua locomoção realizada pelo motor a explosão. O motor elétrico é responsável por fornecer um auxílio, visando melhorar o desempenho, contribuindo para a redução de combustível em até 20%.

Um bom exemplo de carro com motor híbrido-paralelo é o Honda Insight.

Híbridos-Série

Alguns modelos de carros híbridos possuem o motor elétrico como o principal responsável pela locomoção. O motor a explosão é utilizado como um gerador de energia, visando recarregar as baterias (responsáveis pela locomoção). 

Pode-se dizer que o motor a gasolina fica em stand-by, economizando o consumo em 20%, dependendo do tempo que o carro opera.

Híbridos-Misto

Por fim, temos os carros que possuem um motor híbrido-misto. Esse tipo de motor é capaz de unir as principais características dos outros sistemas, aumentando o desempenho de ambos e maximizando os benefícios.

Pode-se dizer, inclusive, que esse sistema é responsável por fornecer a energia necessária às rodas do veículo e gerar eletricidade ao mesmo tempo. Nesse caso, é possível utilizar somente o sistema elétrico.

Quais as vantagens para o meio ambiente?

É importante deixar claro que o efeito estufa é um fenômeno natural, ocasionado pela concentração de alguns gases na atmosfera. Gases como o dióxido de carbono (CO2), ozônio (O3), metano (CH4), óxido nitroso (N2O) e o vapor d’água são os principais responsáveis. 

Esses gases impedem a passagem da luz solar, retendo o calor na atmosfera e contribuindo para o aquecimento global. Sendo assim, a principal vantagem do uso de carros híbridos para o meio ambiente é a redução da emissão desses gases na atmosfera. 

Os carros híbridos queimam menos combustível, realizando menos emissões tóxicas. Estima-se que a redução seja de até 90% em comparação aos carros normais. A emissão de gases de efeito estufa e a menor quantidade de poluição sonora também são benefícios destacáveis.

Outra vantagem que merece destaque é o recurso de frenagem regenerativa. Esse recurso permite a desaceleração do carro transformando a energia cinética em eletricidade para a bateria. Em outras palavras, as pastilhas de freio devem durar mais tempo, reduzindo o consumo de materiais descartáveis. 

Quais os carros híbridos disponíveis no Brasil?

Os modelos de carros híbridos disponíveis no Brasil são importados e o preço ainda está um pouco salgado, apesar de todo o conforto. Marcas como Mercedes-Benz, Ford, Toyota, Lexus e Mitsubishi já possuem modelos híbridos espalhados pelas ruas do país. 

Mercedes-Benz S400 Hybrid

O primeiro modelo híbrido vendido no Brasil foi o Mercedes-Benz S400, lançado em 2010 com um preço inicial de R$ 426.000,00. Os motores eram 3.5 V6 de 279 cv com o módulo híbrido compacto, atingindo o consumo de 12,65 km/l. 

Ford Fusion Hybrid 

A Ford reestilizou o Fusion e lançou uma versão híbrida, que é a versão topo de linha no Brasil. O veículo conta com motor 2.0 de 140 cv, enquanto o motor elétrico gera 50 cv. O desempenho é surpreendente: 15,1 km/l na cidade e 16,8 km/l na estrada.

Para ter um na garagem é preciso desembolsar R$ 159.500,00, valor justificado pelo fato do carro conter todos os equipamentos e recursos disponíveis no Fusion Titanium. 

Toyota Prius

O Toyota Prius foi o primeiro automóvel híbrido a ser produzido em série em todo o mundo. O sedan utiliza a combinação de um motor elétrico de 72 cv com um motor 1.8 de 98 cv. De acordo com o Inmetro, o Prius é o carro mais econômico do país, atingindo 18,9 km/l na cidade e 17 km/l na estrada. 

O modelo da Toyota já possui números excelentes no Brasil, tendo ultrapassado o Volkswagen Golf nas vendas durante o mês de setembro de 2017. O preço é o mais em conta do país para carros híbridos: R$ 126.600,00, sendo apenas R$ 10 mil mais caro que a melhor versão do Toyota Corolla. 

Lexus CT200h

O Lexus CT200h é mais forte que o Prius, possuindo um motor 1.8 de 99 cv e um motor elétrico de 82 cv. A aceleração de 0 a 100 km/h pode ser feita em 10,3 segundos. O ótimo desempenho impacta no consumo, que ainda é excelente: 15,7 km/l na cidade e 14,2 km/l na estrada. 

O preço não foge das demais opções: R$ 129.900,00.

Mitsubishi Outlander PHEV

A versão híbrida do Outlander possui um motor 2.0 de 121 cv e dois motores elétricos de 82 cv. É possível utilizar o motor a gasolina para recarregar as baterias ou utilizar a energia elétrica das tomadas. 

Utilizando apenas o motor elétrico, o carro roda apenas 60 km, mas atinge um rendimento impressionante de 55,2 km/l. O seu preço é R$ 204.990,00 

Os carros híbridos já se tornaram uma grande tendência mundial. Então, a expectativa para os próximos anos é enorme. Algumas montadoras já anunciaram o lançamento de novos modelos, como: Hyundai Ioniq, Nissan Leaf, Volvo XC60 T8, BMW 530e e BMW Mini Countryman PHEV.

E aí, gostou do nosso artigo? Aprendeu tudo sobre os carros híbridos ou ainda possui alguma dúvida? Deixe um comentário com seus questionamentos e sua opinião sobre o assunto. Será um prazer conversar com você!

Saiba os documentos necessários para fazer um financiamento na concessionária

Se tem uma coisa que estimula todos os sentidos de uma pessoa, é dirigir um carro novo. A textura do volante, o cheiro do interior, as cores do painel e o som do motor são alguns dos itens que nos deixam vibrantes. E sair de carro novo tem sido cada vez mais fácil devido às facilidades de pagamento. Existem “n” maneiras de conseguir um financiamento na concessionaria.

Entretanto, o comprador deve colocar no papel alguns fatores relevantes, como comodidade, custo-benefício, facilidades de pagamento e outros. Sabendo destes itens e entendendo a necessidade do perfil do novo consumidor, concessionárias autorizadas pela montadora têm investido em parcerias e estratégias que agilizam a vida do consumidor na hora de comprar. Vamos conferir?

Por que obter financiamento na concessionaria?

A primeira razão – e mais relevante – é a pesquisa. A quantidade de informações que a equipe da concessionária tem a respeito dos carros que estão vendendo – novos e seminovos – somadas à experiência que acumularam ao longo dos anos, devem ser fundamentais na hora de comprar o seu veículo.

Em segundo lugar, essas empresas possuem parcerias de negócios com bancos, agências financiadoras e financiamentos próprios, que possibilitam a redução do tempo gasto para obtenção do carro. Isto que representa uma vantagem para quem precisa do automóvel com certa urgência.

Existem outras vantagens para o cliente? 

Contratando produtos diretamente com a concessionária, há também a possibilidade de negociar prazos e outras condições de pagamento, como entrada, número de parcelas e valor das prestações, que em outros lugares seriam mais “amarrados” e tornariam o financiamento mais difícil – ou trariam condições inapropriadas para o seu perfil.

Converse com o consultor da concessionária e analisem juntos as vantagens e desvantagens na escolha de um usado ou um novo, como: valor de revenda, manutenção, consumo, quilometragem e outros.

Além disso, existem grupos de pessoas que possuem descontos ou redução do valor do veículo zero e o vendedor pode informar se você possui os requisitos necessários para conseguir este tipo de crédito.

Quais documentos necessários para obter financiamento?

Listamos abaixo os documentos necessários para fazer seu financiamento junto a concessionaria:

  • rg;
  • cpf;
  • comprovante de rendimento;
  • comprovante de endereço;
  • comprovante de estado civil;
  • conta bancária.

Uma atenção especial deve ser dada ao terceiro e quarto itens desta lista. Especialistas não recomendam que o valor da parcela do financiamento ultrapasse os 30% do valor informado no contracheque e o comprovante de endereço, que pode ser uma conta de telefone fixo, energia elétrica ou saneamento básico, deve estar necessariamente no nome do solicitante do financiamento.

Já se foi o tempo em que o cliente chegava na loja, escolhia e comprava. O perfil atual do consumidor é de uma pessoa que pesquisa muito antes de comprar. Desta forma, eles procuram por lugares que esclarecem suas dúvidas a respeito do automóvel desejado e oferecem facilidades como redução do tempo de espera para o financiamento na concessionaria.

Gostou do conteúdo deste post? Aproveite e assine nossa newsletter! Postamos regularmente assuntos relacionados e desta forma você não irá perder nenhuma atualização.  

Ar-condicionado de carro: 6 cuidados para o bom funcionamento

O sistema de ar-condicionado torna o tráfego diário muito mais agradável e seguro. Afinal, ele mantém o ambiente em temperatura confortável e possibilita realizar as rotas com as janelas fechadas, o que aumenta a segurança contra um possível abordamento nas ruas. Além disso, ele também é útil nos dias chuvosos, visto que não deixará o seu vidro ficar embaçado.

Com tantas vantagens, comprar um carro com ar-condicionado é imprescindível. E, como todo componente de um veículo, ele precisa de manutenções periódicas e cuidados básicos. Saiba como manter o ar-condicionado de carro em boas condições com as nossas 6 dicas no post de hoje!

Como manter meu ar-condicionado funcionando bem?

1. Utilize o sistema com frequência

Um sistema que é utilizado raramente pode manter a umidade em seu interior, o que propicia o crescimento de fungos e bactérias e o acúmulo de poeira. Dessa forma, quando o ar for ligado, pode apresentar um odor desagradável, além de afetar a qualidade do ar que é jogado para o interior do veículo.

Além disso, a não utilização faz com que as borrachas do sistema sequem e deixem de fazer uma boa vedação, permitindo o escape de gás refrigerante. Desse modo, é interessante utilizar o ar-condicionado de carro no mínimo duas vezes por semana por cerca de 10 minutos e realizar a troca do filtro.

2. Efetue a recarga de gás quando necessário

O gás do sistema é usado para refrigerar o ar que o ar-condicionado filtra. Porém, ao longo dos anos, o gás escapa aos poucos, o que pode deixar o seu carro sem um sistema de refrigeração eficaz. Para evitar esse problema é preciso repor o gás a cada dois ou três anos.

3. Invista em produtos para manutenção do ar-condicionado de carro

É possível fazer a higienização do ar com um spray para matar bactérias e fungos presentes no sistema e suas tubulações. Esse produto pode ser facilmente encontrado em lojas especializadas de veículos ou até em supermercados, custando cerca de R$25,00. Normalmente a recomendação é aplicá-lo com os vidros fechados e o ar-condicionado no máximo, no modo recircular.

4. Esteja atento a barulhos estranhos e possíveis vazamentos

As avarias mecânicas podem acometer o sistema e impedir o bom funcionamento do seu ar-condicionado. Como exemplo podemos citar a avaria do condensador, a não lubrificação do compressor e o não funcionamento das válvulas. Normalmente, esses problemas podem produzir barulhos estranhos.

Além disso, é comum que sistemas de refrigeração tenham um tubo de drenagem para deixar escapar a umidade do ar. No entanto, se você notar poças de água com frequência embaixo do carro é preciso procurar se há algum vazamento no sistema do ar-condicionado.

Nessa situação é preciso procurar um técnico especializado e evitar o seu uso.

5. Providencie a limpeza do ar

É essencial que o sistema de ar-condicionado passe por uma limpeza a cada seis meses. Esse processo deve ser feito independente da frequência de uso ou do tipo de equipamento. Afinal, sem a manutenção adequada fungos e bactérias podem se proliferar, atrapalhando a qualidade do ar e causando doenças.

Normalmente a limpeza do ar-condicionado é feita nas revisões, por uma equipe especializada que, além de realizar a limpeza, verificará as condições do filtro de ar, das grades, da tubulação e substituirá itens danificados. Além disso, a limpeza também conta com produtos especiais para esse tipo de sistema, o que garante a qualidade do serviço e sua maior duração.

6. Limpe ou troque o filtro de ar

O filtro de ar retém em seu interior todas as impurezas do ambiente externo, deixando puro o ar dentro do veículo. Além disso, ele impede que as peças e o motor do carro sejam danificadas, uma vez que não deixa poeiras e demais sujeiras chegarem até elas.

Não existe um prazo correto para realizar a troca do filtro de ar, mas é necessário que ele seja analisado a cada seis meses. Isso porque a sua duração dependerá da frequência de uso e se o veículo roda por vias com muita poluição.

Um filtro de ar limpo é totalmente branco. Com o uso, ele adquire uma cor acinzentada ao preto. Se, após sua limpeza ele não retornar ao branco ou apresentar manchas escurecidas, é necessário substituí-lo, comprando um novo filtro.

Para descobrir a sua localização é preciso consultar o manual do fabricante. Porém, na maioria dos veículos ele fica dentro da cabine, sendo necessário retirar o painel. A dica é prestar atenção ao retirar as peças, visto que será necessário remontá-las.

É importante salientar que um filtro de ar sujo, além de interferir na qualidade do ar, pode fazer com que o sistema fique sobrecarregado, uma vez que impede o fluxo correto de ar e reduz o seu rendimento.

Dessa forma é imprescindível trocá-lo ou realizar a sua limpeza.

Quais são as práticas negativas que aumentam os problemas e diminuem a vida útil do ar?

Primeiramente, é preciso ligar o motor e esperar cerca de 25 segundos para ligar o ar. Além disso, antes de desligar o automóvel é preciso desligar o ar-condicionado primeiro. Esse procedimento aumenta a vida útil da bateria do carro, visto que o equipamento ligado demanda ainda mais energia para fazer o carro ligar.

O ar também não deve ser ligado quando o motor do carro se encontra em alta rotação, pois é possível que essa atitude cause desgastes em seus componentes. Além disso, se o seu carro ficou exposto por muitas horas ao sol quente, evite entrar em seu interior e ligar o ar-condicionado no máximo. Essa prática pode sobrecarregar os componentes e diminuir sua vida útil. Sendo assim, abra as janelas e espere que o ar quente circule um pouco antes de ligá-lo.

Outra dica importante é não utilizar o botão de recircular demasiadamente. Isso porque a falta de ar renovado pode ser nociva a saúde do motorista e seus passageiros, além de afetar a estrutura interna do carro.

Dessa forma, podemos concluir que a palavra-chave para manter o bom funcionamento de ar-condicionado de carro é a manutenção, constante e preventiva. Realizando-a de forma periódica, o proprietário do veículo garante maior durabilidade do sistema de refrigeração e ar gelado por um período maior.

Quer receber mais notícias do mundo automotivo? Assine a nossa newsletter e receba, diretamente em seu e-mail, mais dicas e artigos sobre carros!

Sabia que é mais vantagem comprar carro para pessoas com deficiência com consórcio?

Se você tem pessoas com deficiência (PcD) em casa, já deve ter ouvido falar da possibilidade de comprar um carro mais barato. E isso não são boatos! A PcD possui uma série de benefícios na hora de adquirir um automóvel.

No entanto, dentre as inúmeras facilidades que essa modalidade de compra traz, o consumidor deve estar atento a melhor de acordo com o seu perfil e necessidade. Ao optar por um financiamento, por exemplo, o comprador passa por uma rígida análise de crédito e estará sujeito aos altos juros e impostos que essa modalidade possui.

Para aqueles que não estão com pressa em adquirir um carro para pessoas com deficiência, o consórcio é uma opção interessante a ser estudada. Confira abaixo as principais vantagens desse tipo de negócio!

Redução ou isenção de impostos

O primeiro que é eliminado é o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Se o automóvel for fabricado no Brasil, o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros (IOF) também é dispensado.

O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), talvez os mais conhecidos pela população, também deverão ser isentados.

Em todo o caso, é necessário que o condutor e o proprietário do veículo estejam atentos a cada um deles, pois, esses impostos obedecem a critérios próprios de isenção.

Flexibilidade de crédito

Os consorciados, de modo geral, podem contar com o parcelamento integral do seu automóvel sem a adição de juros nas parcelas como ocorrem nos financiamentos. Além disso, ele tem flexibilidade no uso do seu crédito quando for contemplado, podendo escolher qualquer bem da sua categoria do consórcio contratado e negociando benefícios com o preço à vista — o valor da carta de crédito.

Para as pessoas com deficiência, há a possibilidade de contratar um consórcio para um veículo de valor inferior — e consequentemente com as parcelas mais baixas — e quando for contemplado, adquirir um automóvel mais caro.

Por exemplo: contratar um consórcio de um carro no preço de R$50.000 e no momento que sua carta de crédito sair — pode ser por sorteios mensais ou por lances — usar esse montante para comprar um veículo de R$70.000, pois, como ela tem direito a isenção de vários impostos, esse valor será significativamente reduzido.

Despesas de aquisição

É comum as pessoas tomarem um susto com os valores desembolsados após comprar um automóvel, com seguros e transferência. Adquirindo um plano de consórcio, a PcD pode usar até 10% de sua carta de crédito para esses tipos de despesas e assim ficar livre de custos adicionais.

De qualquer forma, o valor total de descontos na aquisição de um carro para pessoas com deficiência, pode chegar até 30% do valor do bem. No entanto, é necessário verificar se o seu perfil atende a regulamentação vigente — Lei n°8.989/2015 — para utilização desses benefícios.

Se ainda tem dúvidas a respeito dessa modalidade, você pode dirigir-se a uma concessionária que oferece esses serviços e conversar diretamente com um consultor.

Gostou desse post sobre as vantagens de comprar um carro para pessoas com deficiência? Então, saiba também como comprar ou trocar de carro.